Campeã em denúncias, garantia estendida cresce 14% em 2013

Seguro que prolonga garantia lidera reclamações nos Procons contra as seguradoras. Saiba o que fazer antes de contratar

Por helio.almeida

A parceria entre seguradoras e varejistas no comércio eletrônico ampliou a oferta da garantia estendida. Por outro lado, contribuiu para torná-la o seguro mais reclamado do Brasil, informa a supervisora de assuntos financeiros do Procon-SP, Renata Reis. “O consumidor é quase sempre pego de surpresa e não tem tempo para refletir antes de contratar o produto”.

As seguradoras arrecadaram prêmios de R$ 1,6 bilhão entre janeiro e julho de 2013 com o produto – um aumento de 14% em relação aos sete primeiros meses do ano passado, segundo a Susep (Superintendência de Seguros Privados), que regulamenta o produto no Brasil. Já os sinistros alcançaram R$ 241,9 mil este ano, ante os R$ 222,5 mil do mesmo período de 2012.

Aparelhos da NokiaReprodução Internet

Além da garantia legal e contratual – cedidas gratuitamente –, o mercado oferece estes seguros que prolongam por meses ou anos a cobertura contra possíveis danos, ou que complementam a cobertura do fabricante no período vigente da garantia comum. Saber diferenciar os dois tipos de produtos e conhecer seus itens de exclusão (não previstos em contrato) evita surpresas desagradáveis em caso de necessidade.

A maior causa de frustração contra a garantia estendida é justamente sua cobertura e abrangência, liderando 38,67% das queixas à Secretaria Nacional do Consumidor entre janeiro e 31 de agosto deste ano. Em seguida, a entrega do produto com vícios – quando é devolvido sem apresentar as condições anteriores ao dano – ocorreu em 23,97% das reclamações ao órgão.

Os Procons do País receberam, no total, 14.645 denúncias contra a garantia estendida no período. As cinco categorias com mais problemas foram itens de informática, aparelhos celular, geladeiras, televisores e máquinas de lavar ( veja o gráfico ).

Alteração, descumprimento ou irregularidades no contrato do seguro representaram 5,7% das queixas, seguidas da falta de peças para a reposição do produto (3,1%). “Também ocorre de o reparo não ser feito dentro do prazo informado ou a rede de assistência técnica não ser a mesma do fabricante”, esclarece Renata.

Exija o contrato

A melhor forma de evitar problemas futuros é pedir ao vendedor do produto uma cópia das condições gerais do seguro se a compra for feita em uma loja física. No caso das compras pela internet, o cuidado deve ser ainda maior, segundo o advogado Rodrigo Ribeiro, especializado em relações de consumo nos meios eletrônicos.

“A lei determina que as empresas de e-commerce disponibilizem na internet todas as informações gerais da apólice, como cobertura, data da contratação e validade da garantia estendida”, explica. Procurar se informar sobre a empresa que oferece o seguro é outra recomendação para resguardar-se.

Pesquise os preços

A garantia estendida pode ser paga à vista, mesmo que o produto seja financiado, ou inclusa nas parcelas mensais do bem adquirido. “É preferível quitar à vista o valor do seguro para que o preço final do produto não fique maior”, orienta a técnica do Procon.

Tradicional%2C o Shopping de Caxias ganha cara nova e mais confortoAlexandre Vieira / Agência O Dia

Não há um valor estipulado para a cobrança (prêmio) deste tipo de seguro, mas uma pesquisa aleatória em quatro redes de varejo na internet (Submarino, Walmart, Ponto Frio e Americanas.com) apontou uma variação entre 9% e 12% do valor total do produto.

Uma máquina de café Nespresso, por exemplo, vendida por R$ 1.241,91 à vista na rede Ponto Frio, pode estender a garantia do fabricante por mais 12 meses por R$ 135,90, o equivalente a 10,9% do produto. Se a intenção for dobrar o tempo por mais 24 meses, o seguro sai por R$ 217,90 – 17,5% do preço total.

Para saber se o preço é abusivo ou justo, deve-se levar em conta não apenas o valor cobrado, mas também o custo de um conserto simples do item. “Não existe um percentual estipulado para cada produto. O ideal é pesquisar os preços em vários varejistas e comparar as condições”, recomenda Renata.

Condições para cancelar

Quando o consumidor desiste da compra de um produto no prazo de sete dias, o pagamento da garantia estendida também deve ser estornado, sem multa ou ônus para o consumidor. Após este prazo, é preciso considerar se já terminou o período de 90 dias da garantia legal prevista pelo Código de Defesa do Consumidor.

Se sim, ainda resta o período oferecido pelo fabricante gratuitamente. Caso a desistência do seguro ocorra após estas garantias, a seguradora pode estabelecer um custo pelo cancelamento, que estará previsto de antemão no contrato. Esse valor deve corresponder ao período em que o produto ficou passível de indenização pela seguradora, complementa Renata.

As informações são da repórter Taís Laporta

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia