Por thiago.antunes

Rio - Las Vegas sedia esta semana a CES, espécie de Disneylândia do mundo da tecnologia. É uma feira com pelo menos 150 mil visitantes atrás das novidades que os 3.200 expositores estão apresentando. Telas gigantes e flexíveis, por exemplo. O brasileiro gosta muito de televisão (talvez até mais do que deveria). Teremos aparelhos de até 105 polegadas para ver a Marquezine gigante na próxima novela. Será que vai valer a pena?

A Samsung exibiu nesta terça-feira esse monstrengo aí. Além do tamanho, tem o ‘detalhe’ da tela flexível. Pois é. Você aperta um botão, e ela fica plana. Ou não. A LG também entrou nessa onda flexível, que em breve estará presente em algum smartphone perto de você. De olho nesse filão, a Fuji mostrou ontem caixas de som que podem ser adaptadas a telefones. Tudo com muita flexibilidade.

Tela flexível foi exibida em feira de tecnologiaReuters

Outra tendência forte são as máquinas ‘vestíveis’, ou seja, dispositivos inteligentes que você vai usar no pulso, na testa, no pescoço... Sempre conectados à rede. E eles trafegam que conteúdo? Qualquer um, ora, mas principalmente os dados sobre a sua saúde. É nessa linha que muitas empresas estão investindo.

Não deixa de ser engenhosa, por exemplo, a escova de dentes da Kolibree, que dedura para um aplicativo se você limpou-os decentemente ou não. As informações capturadas pela escova geram infográficos sobre a escovação. E você pode compará-los aos da sua família — cada qual com sua escova, espera-se. O dispositivo conta com acelerômetro e giroscópio, tudo funcionando via Bluetooth, claro... Chega ao mercado americano no fim do ano, ao US$ 99. Bacana.

Enfim, são muitas tentações. Pena que não receberemos muitas delas aqui nos trópicos. Como se sabe, importação + frete + impostos + margens de lucro desvairadas = perdas de oportunidades para todos. Um dia isso muda.

Cadê meu Android?

O número de novos dispositivos rodando o sistema Android deve chegar a 1,1 bilhão este ano. É o que diz o Gartner Group, prevendo crescimento de 26% em relação a 2013. Na família da Apple, serão 344 milhões de iPhones, iPads etc.

Grana preta

A Apple divulgou nesta terça que faturou nada menos que US$ 10 bilhões com a sua App Store em 2013. Ótimo negócio, esse. Somente em dezembro, as vendas de aplicativos chegaram a US$ 1 bilhão. Salve, Steve Jobs!

É dura a vida honesta

A coluna recebe aqui, dia sim, outro também, reclamações de tudo quanto é canto, a respeito de lojas que não cumprem o que prometem, não entregam o que vendem etc e tal. É uma vergonha. Agora mesmo recebi duas. Uma sobre a Tok&Stok, que não enviou nove molduras para a leitora Maria Duarte. E outra queixa é do leitor Filipe Corrêa. Ele comprou portas no site da Mobly, e elas chegaram com defeitos. O Filipe pede a troca desde novembro, mas nada acontece. Esse jogo de empurra só ajuda a enfraquecer a boa prática do e-commerce no país. Tomara que tomem jeito.

Beba água

Não dê mole para o calor. Beba água. E, se você costuma se esquecer desse hábito saudável, experimente o aplicativo ‘Beba água’, por ora disponível apenas para iPhone. Já foram mais de 60 mil downloads. O app é simples: ele dá um alerta sempre que está na hora de você se hidratar.

Você pode gostar