Por thiago.antunes

Rio - De olho no crescimento do mercado móvel, a OLX, empresa de classificados online gratuitos, quer estimular o usuário de seus serviços — são cerca de 20 milhões por mês somente no Brasil — a fechar negócio usando essas plataformas. Do total, 30% já lança mão do aplicativo da empresa para compra e venda de produtos de todos os segmentos.

Presidente da OLX no Brasil%2C Marcos Leite está empolgado com a possibilidade de novos negócios na redeMaíra Coelho / Agência O Dia

Mas Marcos Leite, presidente da OLX Brasil, colocou como meta que, em um ano, 50% de sua base de clientes levará a companhia a todos os lugares em celulares e tablets. A companhia figura como maior aplicativo de shopping no PlayStore da Google.

A OLX é uma empresa da Naspers, grupo de mídia com sede na África do Sul e presente em vários países, muitos deles emergentes. A decisão da Naspers, que tem 94% das ações desde 2011, é tornar a marca a sua bandeira em classificados no mundo. Hoje, a OLX tem, além do Brasil, escritórios em Portugal, Argentina, Índia e África do Sul, entre outros.

“Nosso controlador já confirmou seus planos de continuar investindo bastante no Brasil. E com muito foco em mobile. Hoje, 70% do mercado de classificados online da Naspers estão ligados a OLX. Segundo informações recentes divulgadas na mídia internacional, a empresa tem potencial global de movimentar US$ 12 bilhões. Por isso é importante reforçar a presença no Brasil”, destaca Leite.

Para “educar” o usuário a olhar o mercado de classificados online, a OLX montou um quiosque na Estação Carioca do metrô. Eles querem atrair novos clientes e estimular o uso do aplicativo. O espaço de relacionamento ficará instalado até 8 de fevereiro. O executivo afirma que o objetivo é, posteriormente, ampliar o número de centros de atendimento.

Reportagem de Erica Ribeiro

Você pode gostar