Pedir seguro-desemprego sem necessidade é crime

Quem está empregado e solicita o benefício comete estelionato e pode ser preso

Por bferreira

Rio - Quem recebe seguro-desemprego enquanto está trabalhando pratica o crime de estelionato. Essa foi a decisão da 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) ao julgar o caso de um homem que pediu reconhecimento do benefício na Justiça do Trabalho sem ter as condições necessárias para isso.

A fraude foi percebida no momento do requerimento do seguro, após análise de documentos que comprovaram que ele não estava desempregado. O indivíduo, por sua vez, alegou ausência de dolo na conduta e erro de proibição, por se considerar uma pessoa simples, humilde e, assim, ignorante com relação a essas questões.

Relator do caso, o juiz federal convocado Márcio Mesquita, porém, decidiu que o próprio nome do benefício não deixa dúvidas acerca de seu propósito, que é ajudar aos trabalhadores que estejam sem emprego. De acordo com o juiz, “não é crível que a pessoa, por mais iletrada que seja, desconheça a ilicitude do ato de requerê-lo após a reinserção no mercado de trabalho”.

A pena para o crime cometido foi fixada em um ano e quatro meses de reclusão, no regime inicial aberto. Foi determinado ainda pagamento de multa durante 13 dias, no valor unitário mínimo, substituída por duas restritivas de direitos. O TRF informou que “a prestação pecuniária, substitutiva da pena privativa de liberdade, deve ser revertida em favor da entidade lesada com a ação criminosa”. Esse valor, segundo o Código Penal, não pode ser inferior a um salário mínimo, nem superior a 360 salários mínimos.

Advogado especializado em Direito Trabalhista, Jonatas Rodrigues, explica que a pena para a prática de estelionato é de um a cinco anos de reclusão. Pode ser incluída ainda uma multa a ser arbitrada pelo juiz.

Ele concorda com a decisão da Turma com relação ao pedido do seguro-desemprego por alguém empregado. “Tal prática se configura como crime, pois o benefício desse seguro é garantia de sustento para aqueles que estão sem trabalho e atendem aos requisitos legais previstos na Lei 7.998/90, conhecida também como a Lei do Seguro Desemprego”, avalia o especialista.

Para ele, ao receber tais valores enquanto empregado, o indivíduo pratica crimes contra a previdência social e também contra os cofres públicos, “uma vez que mantém para si vantagem ilícita em prejuízo alheio, por meio fraudulento”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia