Arrecadação de Resende aumenta 40% com Nissan

Montadora japonesa inicia hoje suas operações na cidade do Sul Fluminense. Em três anos orçamento do município dobrou, chegando a R$ 440 milhões

Por bferreira

Rio - A montadora japonesa Nissan será responsável por 40% do Produto Interno Bruto (conjunto de riquezas produzidas) da cidade de Resende, no Sul Fluminense, conforme estudos da Secretaria Municipal de Fazenda. A fábrica abre hoje com cerca de 2.500 trabalhadores. Porém, o prefeito José Rechuan (PP) estima que o número de vagas vai quadruplicar em seis anos.

“A Nissan deve empregar 10 mil pessoas até 2020 no município. Afirmo isso com base no projeto de ampliação da empresa e comparando o tamanho da fábrica de Resende ao de outras montadoras”, avalia com otimismo.

Mesmo antes do começo das atividades, os impactos na região já foram notados. A expectativa do empreendimento fez com que, em apenas três anos, a arrecadação do município mais que dobrasse, chegando a R$ 440 milhões em 2013. A previsão é que o orçamento feche em R$ 480 milhões neste ano.

Os setores de comércio e serviço deram um salto: desde janeiro, a prefeitura concedeu 160 alvarás por semana para criação de micro e pequenos negócios. Os segmentos de logística, alimentação e vestuário foram os mais procurados.

O fortalecimento do polo industrial na cidade também chamou a atenção da rede hoteleira: atualmente são quatro companhias interessadas em oferecer seus serviços em Resende. A rede Ibis já comprou um terreno, e outras três providenciaram estudos de mercado.

Para José Rechuan, a Nissan beneficiará, além de Resende, mais oito cidades na região. “A movimentação econômica provocada pela montadora é uma vitória de todo o Sul Fluminense”, diz.

Cidade vai enfrentar desafios de uma cidade grande

Junto com o desenvolvimento econômico surgem os desafios que Resende e cidades vizinhas começam a enfrentar. No município que recebe a montadora japonesa, transtornos no trânsito já são perceptíveis.

A prefeitura aguarda a liberação de R$ 125 milhões em recursos federais para obras de mobilidade urbana, como a construção da Ponte de São Caetano (que ligará o centro de Resende à Rodovia Dutra) e a Estrada do Contorno (unindo o município ao distrito industrial sem a necessidade de passar pela Dutra). A verba faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) voltado à mobilidade urbana.

A segurança pública é outra questão que chama a atenção dos moradores da cidade. A prefeitura instalou um Posto de Polícia Técnica e integra o consórcio sobre o tema entre os municípios do Sul Fluminense.

Na vizinha Porto Real, sede da Citroën Peugeot, a prefeita Cida (PDT) teme um possível déficit na Educação. Ela diz que aproveitará o evento de inauguração da fábrica da Nissan para pedir à presidenta Dilma Rousseff investimentos do governo.

“Precisamos de ao menos quatro escolas e quatro creches no município, senão teremos crianças fora das salas de aula em breve”, pontua. “Os investimentos da prefeitura e do governo do estado não estão dando conta das necessidades. Estamos recebendo muitos estudantes cujas famílias são atraídas pelas oportunidades de emprego”, destaca.

Reportagem de Paulo Capelli

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia