Empresas reduzem produtos para não elevar os preços

Inflação faz comércio driblar aumento de custos diminuindo quantidade por unidade

Por bferreira

Rio - Com o aumento da pressão sobre a inflação, algumas empresas e estabelecimentos têm usado o “jeitinho” para driblar a alta dos custos. Em alguns casos, de forma irregular. No início deste mês, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão do Ministério da Justiça, multou companhias como a Minalba e a Procosa Produtos de Beleza Ltda, razão social da L’Oreal Brasil, por alteração nas quantidades unitárias de produtos sem aviso prévio ao consumidor. Segundo o código, mudanças devem ser informadas com antecedência mínima de três meses, de forma ostensiva e por diversos meios. Inclusive, no rótulo do produto. As multas aplicadas chegam a R$ 1 milhão.

Também foram detectadas irregularidades nos ovos de páscoa. Mas, como o produto tem longos intervalos de venda, torna-se mais difícil a fiscalização. No Rio de Janeiro, por exemplo, o Sonho de Valsa tamanho 15, da Lacta, passou de 350g, no ano passado, para 270g na páscoa deste ano.</CW> A assessora jurídica do Procon-RJ, Éricka Machado, ressalta a importância do consumidor no acompanhamento das alterações, tendo em vista as dificuldades operacionais do órgão. “Nós temos 15 fiscais no estado inteiro. Então, o papel do consumidor é essencial. É ele que vai ao mercado e está presente no dia a dia”, afirma.

RISOTO MENOR

Apesar de não terem a obrigação do aviso prévio sobre mudanças nos volumes, restaurantes vêm reduzindo as porções. Quem costumava ir ao Bar do Adão, na Lapa, observa que o risoto de camarão para duas pessoas, que servia até cinco, encolheu. Cláudia Costa, gerente do bar, defende-se e afirma que simplesmente adequou o cardápio.

“Os alimentos estão mais caros no mercado, mas não foi esse o motivo para a redução das porções. Havia um desperdício muito grande. Só repassamos o aumento no prato executivo”, disse.

Enquanto a gerente concedia a entrevista, um garçom chamou a atenção para os pratos que levava para a cozinha, todos com sobras.

Restaurante troca tamanho do prato

Outro restaurante que reduziu suas porções foi o Outback Steackhouse. É o que conta a cliente Mariana Velloso. “Sou consumidora antiga do Outback. No decorrer dos anos, comecei a notar a redução Quando reclamei, fui chamada à cozinha para que me mostrassem como os alimentos são pesados antes de irem para o prato. Recentemente, trocaram a louça, que teve seu tamanho reduzido”, reclamou.

A empresa contesta. Diz que não houve redução das porções servidas nos restaurantes da rede e argumenta que segue padrões de quantidade e especificações de qualidade para todos os produtos.

Outro lado

A Procosa Produtos de Beleza Ltda, por meio de nota, informou que em relação a redução de embalagem, à época, foi submetido à Anvisa "um novo produto, como novos design, formato de embalagem e formulação, resultando em um novo registro na agência". "Portanto, procedimento totalmente lega", informou a empresa.

E, sobre a questão da rotulagem, ela informou que a indicação dos ingredientes no rótulo do produto respeita a Nomenclatura Internacional de Ingredientes Cosméticos (INCI), adotado no Brasil pela Anvisa, e que permite ao consumidor identificar, "de forma mais clara, as substâncias de uma formulação em qualquer lugar do mundo, sem distinção de idioma, caracteres ou alfabeto".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia