Navegação na internet exige cuidado para evitar golpes de ladrões virtuais

Os vilões nem sempre buscam senhas bancárias, mas sim dados pessoais, como música mais ouvida e tipo de literatura

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Há um mês, o Google foi afetado pela vulnerabilidade do heartbleed, uma falha de protocolo que expôs usuários do Gmail e outros serviços da gigante. Na época, foi recomendada a troca imediata das senhas. Os brasileiros também sofreram com a invasão de privacidade que, na verdade, é um assalto aos dados de consumo do internauta. Mas existem certos cuidados que podem e devem ser tomados para garantir a proteção.

Os vilões nem sempre buscam senhas bancárias, mas sim dados pessoais, como música mais ouvida e tipo de literatura de cabeceira. Vão de simples ladrões de sua intimidade até sequestradores de dados e de fotos constrangedoras.

“Os ataques estão direcionados aos hábitos de navegação. Antigamente, o usuário descartava qualquer e-mail de banco em que não tinha conta porque sabia que isso era um golpe. Hoje, na maioria dos casos, chegam e-mails que usam ilicitamente o nome da instituição bancária em que se é correntista”, diz Alexandre Freire, professor da UFRJ e especialista em Segurança da Informação.

Ele explica que o perfil é traçado a partir do mapeamento do histórico de navegação e que essa prática é um procedimento normal feito pelo Gmail, Facebook, Outlook, Microsoft e Google, e demais serviços e empresas.

É preciso cuidado para evitar cair em golpes virtuais e, por consequência, grandes dores de cabeçaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

“É um mecanismo intrusivo e muitos sites instalam programas que podem ser usados para o bem ou para o mau. Há muitos produtos sofisticados que induzem o usuário ao erro. Estar conectado 24 horas por dia, seja por rede wi-fi ou por rede móvel (do smartphone) tem como consequência o fim da privacidade”, revela Freire.

Mais do que instalar antivírus ou demais tipos de programas para impedir o uso ilícito de dados pessoais, é imprescindível mudar o comportamento de navegação. “O usuário final precisa se adequar aos novos meios de ataque e redobrar a atenção. Cuidados básicos com a senha são deixados de lado e facilitam a atuação de hackers”, defende.

Baixar aplicativos no smartphone também exige cuidado. A orientação é que se faça downloads somente de programas e desenvolvedores confiáveis. Segundo Freire, alguns aplicativos podem roubar dados ou fazer monitoramento do uso do aparelho, como ligações telefônicas, microfone e câmera.

Segundo o especialista, a atenção também tem que ser redobrada quanto ao uso dos aplicativos do Facebook compartilhado entre os perfis. “Muitos hackers criam aplicativos que podem conter elementos que tornam o usuário vulnerável a ataques”, explica.

COMO PROTEGER SEUS DADOS

SEGURANÇA.Analista de segurança de dados da MV Security, Marcos Velasco explica que as portas e os cadeados de computadores podem estar abertos de diversas maneiras: softwares desatualizados, sistema operacional e uso de navegadores antigos, falta de antivírus e firewall (dispositivo com regras de segurança), sites inverídicos e e-mails falsos que são enviados aos milhares todos os dias.

REPETIÇÃO DE SENHA. Velasco também orienta evitar a repetição de senhas em mais de um serviço. Exemplo: use uma senha para o e-mail e outras para cada rede social: Facebook, Twitter, entre outros, além do Skype. “Não é que isso proteja mais. Contudo, dificulta um pouco o trabalho de um hacker, já que ele teria que conseguir várias senhas para acessar todos os serviços. Se o usuário tem uma única senha, ele poderá perder o acesso a todos os serviços de uma vez e dificultar ainda mais a recuperação”, adverte.

REDE SEM FIO. Quem usa redes sem fio abertas pode ter os dados “roubados” facilmente por meio de sniffers (programa de captura que analisam pacotes trafegados na rede), principalmente senhas de e-mails e bancos, explica o analista. “Usar o wireless aberto é o mesmo que gritar a sua senha em um megafone. Portanto, muito cuidado”, recomenda.

EXPOSIÇÃO. Velasco ressalta que o excesso de informação divulgado pode comprometer as vidas virtual e a real. “Não é bom dar detalhes de rotinas, como viagens. A família pode retornar para casa e ter surpresa desagradável”, alerta.

ANTIVÍRUS PODEROSOS E GRÁTIS
1) www.psafe.com. 2)bitdefender.com.br/solutions/free.html. 3) cloudantivirus.com/pb. 4) www.avira.com/pt-br/download?product=avira-free-antivirus. 5) avast.com/pt-br/index. 6)avgbrasil.com.br/avg-free-antivirus-gratis.

É IMPORTANTE EVITAR A EXPOSIÇÃO

Especialista em Segurança da Informação da Módulo Security Solutions, Maurício Taves explica que o usuário pode a qualquer momento consultar a política de privacidade dos serviços, sempre que houver dúvida. Contudo, o usuário tem que fazer a “sua parte” tomando cuidados básicos.

Segundo Taves, é importante sempre que, antes de publicar qualquer informação na internet, questionar se aquele dado é relevante ou não e se pode trazer algum problema no futuro: “Quando se divulgam rotinas como horários de academia, cursos, eventos e viagens o próprio usuário está desenhando um perfil que pode servir de informação para terceiros. Ou seja, não adianta instalar antivírus se a pessoa não dosar o grau de exposição.”

O especialista lembra que a curiosidade ainda é um problema que faz o usuário cair em armadilhas. “Não se deixar levar pela curiosidade. É necessário pensar duas vezes antes de clicar e desconfiar de algumas informações que são apresentadas. Esses gestos são simples e poderiam evitar a vulnerabilidade dos dados pessoais”, cita Maurício Taves .

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia