Especialistas aconselham a não esperar edital da PF sair

Muito concorrido pela remuneração de R$ 7 mil, concurso é esperado para julho

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - O concurso para as 600 vagas de agente da Polícia Federal ainda não saiu, mas especialistas aconselham os candidatos a não esperar pelo edital. Afinal, será uma seleção muito concorrida, já que a remuneração é bem atrativa: R$ 7 mil. O edital é aguardado para sair em julho e a banca será novamente a Cespe/UnB. Por isso, quem ainda não começou a estudar precisa recuperar o tempo perdido.

Arenildo Santos, professor do site Questões de Concursos, diz que Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico, Atualidades, Noções de Informática, Direito Administrativo e Direito Constitucional são disciplinas frequentemente exploradas nas provas da PF.

Marcus Rodrigo começou a estudar para o concurso da PF em 2010Divulgação

“Português, não importa o nível relativo à prova, cai. É importante, por exemplo, priorizar interpretação textual, emprego de pronomes, análise semântica de conectivos e orações, concordância, regência, crase e ortografia. São assuntos de grande incidência em concursos”, informa. Santos chama a atenção também a estar preparado para o Teste de Avaliação Física (TAF).

Estefânia Rocha, professora de Processo Penal do site Agora Eu Passo, diz que a banca Cespe faz exames mais seletivos, extraindo do candidato o conhecimento do texto de lei, doutrina, súmulas e jurisprudência. “As questões abordadas são aprofundadas, exigindo do candidato uma maior concentração e preparo na analise dos temas abordados nos enunciados. Em se tratando do conteúdo programático Processo Penal, temos entre as matérias mais relevantes Inquérito Policial, Teoria Geral das provas e prisões. Destaco ainda as alterações introduzidas pela Lei 12.403/11”, alerta Rocha.

Professor de Direito Administrativo do site Questões de Concursos, Denis França defende que bom parâmetro de estudo para o programa dessa disciplina na seleção da PF é o último edital para o cargo de escrivão, publicado em 2012. “E não se trata de um programa extenso. É muito importante, porém, que o candidato conheça com segurança os temas”, orienta.

Marcus Rodrigo, de 27 anos, começou a estudar para o concurso da PF em 2010. “Estudo, em média, seis horas por dia”, conta o concurseiro que acompanho as vídeo-aulas do site Agora Eu Passo.

Atenção às ‘pegadinhas’

Professora do site Gabarita Português, Lilian Furtado comenta que a prova da PF exige muita atenção do candidato às ‘pegadinhas’. “É de extrema importância que o candidato tenha um roteiro de estudo. O ideal é começar com os assuntos básicos mais cobrados em prova como crase, regência, concordância verbal e nominal, pontuação, flexão verbal e coesão. Depois o candidato precisa resolver exercícios básicos para assimilar a matéria.

Emerson Castelo Branco, professor do Agora Eu Passo, diz que na disciplina de Direito Penal os assuntos mais relevantes são culpabilidade, concurso de agentes, crimes contra a pessoa, contra o patrimônio e contra a administração pública. “Como a prova da Polícia Federal normalmente é elaborada pela Cespe/UnB, o candidato deve estar atento para as decisões recentes dos tribunais superiores e resolver o máximo de questões passadas elaboradas pela banca”, diz.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia