Após a crise na China, McDonald’s do Japão quer frango brasileiro

Fornecedores chineses vendiam carne estragada para restaurantes

Por bferreira

Rio - A rede de lanchonetes McDonald’s do Japão anunciou ontem que estuda a possibilidade de comprar frango do Brasil. A análise ocorre após o maior fornecedor do grupo, da China, estar no centro de um escândalo de venda de carne estragada. Os restaurantes da multinacional americana têm oito pratos à base de frango chinês no cardápio japonês.

Na sexta-feira passada, a companhia havia suspendido a importação e a venda de frango e de todos os produtos derivados procedentes da China. “Decidimos suspender o fornecimento de carne de frango da China para responder à preocupação dos consumidores depois das informações relacionadas a uma fábrica de Xangai”, explicou, em informe, a direção do McDonald’s Japão, que anunciou também a suspensão da venda de produtos com frango procedentes da China que estavam nos depósitos.

HAMBÚRGUERES DE CARNE

A rede informou que compraria todos os produtos de frango da Tailândia para “responder às preocupações dos clientes”. Mas a presidente da filial, Sarah Casanova, afirmou que é necessário um plano de contingenciamento. Por isso, citou o Brasil como um possível novo fornecedor. O McDonald’s tem mais de 3.000 lanchonetes no Japão.

Na segunda-feira passada, algumas unidades da rede McDonald’s de Pequim e de Xangai, na China, suspenderam a venda de hambúrgueres e passaram a oferecer apenas sanduíches à base de peixe. A decisão foi tomada também por causa do escândalo do fornecimento de carne fora da validade, que atingiu a rede na China.

Na semana passada, as autoridades chinesas fecharam a fábrica Husi Food, filial chinesa da produtora de alimentos americana OSI, suspeita de vender carne contaminada a grandes empresas de fast-food, incluindo McDonald’s, KFC e Pizza Hut (grupo Yum).

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia