Força Militar: Cabo fica quatro anos sem reajuste

O responsável pelo setor de inativos do Exército disse que o valor recebido pelo cabo está de acordo com a legislação

Por bferreira

Rio - O Exército teve que dar explicações à 15ª Vara Federal do Rio, sobre a denúncia feita pelo cabo Paulo Alves. Segundo ele, o chefe do Serviço de Inativos e Pensionistas da corporação não cumpriria decisão judicial de reajustar o auxílio-invalidez do praça.

O responsável pelo setor de inativos, coronel Waldir, disse à coluna que o valor recebido pelo cabo está de acordo com a legislação e que o benefício não é ajustado conforme o valor do soldo. É regulado em lei específica, explicou. O militar disse ainda que o major Rocha, citado por Paulo Alves como o oficial que impediu o reajuste, não tem poder sobre a decisão judicial.

Já o cabo fez outras denúncias contra o major Rocha. Entre elas, a que ele teria visto na mesa do oficial cópia do CPF de autoridades militares e civis, como o da presidenta Dilma, e que teria sido ofendido e ameaçado. “As investigações não comprovaram nenhuma denúncia”, disse coronel Waldir.

A juíza Alessandra Castro intimou o coronel a revisar o soldo e o valor das diferenças acumuladas desde junho 2008, data em que Paulo não obteve reajuste, permanecendo em R$ 1.089. Após junho de 2012, houve alteração do benefício para R$ 1.520.

NONA POTÊNCIA

Os oficiais da Marinha estão ignorando as restrições orçamentárias impostas pelo governo para, nos próximos 30 anos, elevar a esquadra ao patamar de nona frota mais importante do mundo. A revelação está no livro “As Garras do Cisne”, do jornalista Roberto Lopes, recém-lançado pela editora Record.

INTERESSE NO PRÉ-SAL

Com base em documentos produzidos pela corporação, Lopes apresenta o plano dos almirantes, que diz estar em andamento e que consiste no reaparelhamento da frota da Marinha. O autor mostra que os interesses marítimos do Brasil cresceram, “de forma inesperada”, desde a descoberta do pré-sal.

REDUÇÃO DE CUSTOS

O autor relata no livro como atualmente os chefes navais economizam para concretizar o plano. Uma redução de custos é no rancho e no consumo de luz nos quartéis, mas perseveram os programas de construção de submarinos e porta-mísseis. O objetivo é seguir o plano dentro do orçamento do governo federal à Marinha.

SEM HABEAS CORPUS

O Superior Tribunal Militar (STM) negou habeas corpus preventivo para civil que responde ação penal por desacato. Ele teria se negado a parar numa blitz montada por militares do Exército, durante operação de pacificação em ruas do complexo da Maré. Dois dias depois, foi posto em liberdade, mas responde ação penal.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia