Projeto Damas abre inscrições

Curso de qualificação profissional e reinserção social é voltado para travestis e transexuais

Por thiago.antunes

Rio - A Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual do Município do Rio de Janeiro (Ceds-Rio) abriu inscrições para o processo seletivo para o Projeto Damas. A ação social objetiva a capacitação para o mercado de trabalho de travestis e transexuais. São 30 vagas para o programa, que visa a reinserção social e profissional desses segmentos por meio de qualificação profissional, incentivo a escolaridade, e empregabilidade.

Os interessados têm até o fim de fevereiro para se cadastrar no site www.cedsrio.com.br, por meio do link fale-conosco. O projeto tem duração de 10 meses, sendo seis de cursos e quatro em estágios em órgãos municipais conveniados.

Participantes da quinta turma do Projeto Damas comemoram a conclusão das aulas dos cursosDivulgação

A iniciativa compreende oficinas de trabalho, ética e comportamento, orientação vocacional, educação, informações sobre prevenção e reduções de danos à saúde, noções de direitos humanos e visitas guiadas. “Nossa meta é a quebra de preconceito e do estereótipo associado à prostituição”, revela Carlos Tufvesson, coordenador do Ceds-Rio.

Ele destaca que pesquisa promovida pelo grupo de convivência TransRevolução mostra que 92% das travestis e transexuais gostariam de ter a possibilidade de outras oportunidades de trabalho. “A maioria delas está nas ruas se prostituindo para sobreviver. Infelizmente, o preconceito resulta em um alto índice de evasão escolar já na pré-adolescência, quando elas começam a se descobrir sexualmente. Para evitar constrangimentos fogem da escola e da próprias famílias, que não as aceitam como são. Sem oportunidades, a prostituição acaba sendo o caminho natural de grande parte delas”, explica Tufvesson.

Participantes vão completar os estudos

O coordenador da da Diversidade Sexual do Município do Rio de Janeiro (Ceds-Rio), Carlos Tufvesson, revela que no Projeto Damas as participantes terão a chance de completar os estudos e a oportunidade de inserção no mercado de trabalho. “A ideia é trazer o resgate da autoestima e da cidadania. Os encontros acontecerão, pelo menos, uma vez por mês durante seis meses antes da vivência profissional”, explica o coordenador municipal do Ceds-Rio.

Para o próximo grupo de trabalho, haverá atendimento clínico psicológico com profissionais voluntários da Secretaria Municipal de Saúde. Além disso, o conteúdo programático é composto por aulas de Português, Informática, Inglês, noções de Direito e Cidadania. As alunas terão ainda orientações de etiqueta, comportamento e curso específico de organização e empreendedorismo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia