Mais Lidas

IBGE abre concursos para 600 vagas no país

Salários vão de R$ 3,3 mil a R$ 9,3 mil para níveis Médio e Superior

Por bferreira

Rio - Para fechar 2015 com mais esperanças de que o próximo ano será melhor para os concurseiros, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abriu duas seleções para o total de 600 vagas, com salários entre R$3.319,45 e R$ 9.396,88 para os níveis Médio e Superior. A banca escolhida foi a Fundação Getulio Vargas (FGV) e as inscrições devem ser feitas entre os dias 4 e 28 de janeiro de 2016.

A concurseira Isis Rodrigues%2C 31 anos%2C estuda há um ano para as vagas de Nível Médio com o coordenador do curso Equipe Rio%2C Jorge AlonsoDivulgação

Do total de vagas, são 460 em um edital para técnico em informações geográficas e estatística, de Nível Médio. Já as outras 140 são para cargos de analista de planejamento, gestão e infraestrutura em informações geográficas e estatísticas e de tecnologista em informações geográficas e estatísticas, todos de Nível Superior de escolaridade.

As provas para o Ensino Médio estão marcadas para 10 de abril, com 60 questões divididas em português, matemática, geografia e conhecimentos sobre o próprio IBGE. “O conteúdo programático de cada disciplina é básico e comum aos demais concursos da banca (a FGV). Já a parte específica de conhecimentos sobre o IBGE, a organizadora disponibilizou em seu site uma apostila para baixar com o conteúdo a ser estudado pelo candidato”, explicou o coordenador do curso Equipe Rio, Jorge Alonso.

O especialista acrescenta que os candidatos devem ficar atentos, principalmente, ao conteúdo de geografia. “A banca FGV aumentou muito o nível de suas seleções nos últimos concursos realizados, abordando assuntos não muito típicos de serem cobrados em provas de concursos públicos. Geografia é um deles, o que torna mais difícil para o candidato ter uma base do que estudar e com a matéria poderá ser abordada no concurso”, disse.

A concurseira Isis Rodrigues, 31 anos, estuda há um ano para concorrer ao cargo de técnico em informações geográficas, de Nível Médio. Ela dedica mais de quatro horas por dia e está otimista. “Esse concurso é interessante pela própria remuneração, que é alta em relação a outros, e também pode ter convocação extra”, explicou a estudante.

As inscrições devem ser feitas pelo site www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/ibge. A taxa é de R$ 69 para os cargos de Nível Superior e de R$ 49 para Nível Médio. As vagas são para o Rio de Janeiro, Brasília, Vitória, Belo Horizonte, Cuiabá, Florianópolis, Manaus, Macapá, Belém, Recife, Teresina, Natal, Porto Alegre, São Paulo, Goiânia e Salvador.

Instituto também seleciona 82 mil para Censo de 2016

O IBGE também vai contratar 82 mil temporários para trabalhar no Censo Agropecuário 2016. Os contratos terão duração de até um ano, com possibilidade de prorrogação de até três anos. O salário para as funções não foi divulgado. O IBGE não tem estimativa de quando vai liberar o edital, entretanto, a autorização para a seleção foi feita este mês.

Os cargos disponíveis são para analista censitário, agente censitário regional (486), agente censitário administrativo (700), agente censitário municipal (5.500), agente censitário supervisor (12.540), agente censitário informativo (174) e recenseador (62.400).

Rio oferece 963 chances

Na última semana do ano, quem está fora do mercado pode tentar uma das 963 vagas de emprego oferecidas pela Secretaria Municipal de Trabalho. As chances são para candidatos com ensinos Fundamental ou Médio em funções como apontador de obras e repositor de mercadorias. Há oportunidades para pessoas com deficiência.

Para se candidatar é preciso ir a um dos postos da secretaria, que funcionam de segunda a sexta e levar carteira de trabalho, identidade e PIS. O interessado também pode enviar currículo para smte.selecao@gmail.com ou smteboasvagas@gmail.com, com seu nome e cargos desejados no assunto. As vagas também são divulgadas no Facebook (www.facebook.com/Rio.SMTE).

Ontem, lideranças sindicais se reuniram com ministro do Trabalho e Previdência, Miguel Rossetto, e pediram que o governo negocie com a Companhia Siderúrgica Nacional para adiar por pelo menos seis meses as demissões de três mil trabalhadores da empresa, que devem ocorrer já na primeira semana de janeiro.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia