Por thiago.antunes

Rio - É escrevendo de trás para frente que os alunos do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, terão a oportunidade de cruzar o mundo através do aprendizado de uma língua bem diferente: o árabe, falado por fmais de 280 milhões de pessoas ao redor do planeta.

Com o objetivo de capacitar os alunos para a Copa do Mundo e as Olimpíadas de 2016, a escola começou a ministrar as aulas ontem, em parceira com a Fundação Qatar, como antecipado no 'Informe do DIA' desta segunda. Além disso, quatro alunos foram convidados pela entidade para participar da Conferência Internacional Juvenil, nos dias 27, 28 e 29, em Doha, no Qatar. Esta será a primeira escola do estado a oferecer aulas do idioma, que é grafado da direita para a esquerda e possui alfabeto composto por símbolos.

Nathalia%2C com expressões escritas em árabe%2C é o orgulho da família%3A aulas são opcionais no colégio Angelo Antônio Duarte / Agência O Dia

Selecionada para a viagem, a estudante Nathalia Ramos, de 17 anos, já preparou a mala para partir de sua casa em uma vila de pescadores, para voar de avião até Doha, capital conhecida pelos seus modernos arranha-céus. “Estou ansiosa, não achei difícil e a professora é ótima. Hoje em dia ter esse intercâmbio com outras culturas ajuda muito no currículo. O árabe vai me proporcionar mais chances de bom emprego no futuro”, disse a adolescente, que nas horas vagas gosta de escrever poesia e é considerada uma das melhores alunas do colégio.

Emocionado, o pai, se orgulha. “Sou um pai muito bobo. Ela sempre foi tranquila, virada para a cultura. Essa conquista é merecida”, afirmou o funcionário de empresa de limpeza Sérgio Silva, 49. As aulas são opcionais no currículo escolar dos estudantes. Mas, segundo o diretor do colégio, Marcos Antonio Madeira, o número de inscritos superou a expectativa. “Foi uma surpresa. No primeiro dia tivemos 60 inscrições. É um grande projeto. Seu filho falando árabe faz um curso de petróleo e gás e se forma com emprego garantido. Estamos pensando no futuro deles”, disse.

Professores e material para os alunos

Apaixonados pelo nosso futebol, grandes empresário do Qatar não estão apenas de olho nas nossas revelações esportivas, mas querem investir no talento do jovem empreendedor brasileiro, é o que garante o diretor da escola.

“Esse ano recebi o contato deles, através da Secretaria Estadual de Educação e de pronto aceitei. O colégio entra com o espaço e eles pagam os professores e trazem material, estrutura. O foco deles é apostar em jovens lideranças para usar o esporte para o bem comum da sociedade, afirmou Marcos Antonio Madeira. Além do novo idioma, o colégio oferece aulas de italiano, francês e espanhol. “Faço francês, é lindo. Pareço atriz de cinema falando”, se gabou a estudante Carol Neves, 16 anos.

Chance para outras escolas

“Há previsão de expandir para outras escolas no sistema municipal, mas ainda não foi definido para quantas. Isso vai depender do treinamento de professores”, comentou Robert Feron, coordenador de Programas para o Brasil da Fundação Qatar. De acordo com Feron, a fundação também está mantendo conversas com a Secretaria Estadual de Educação do Rio e é possível que até três escolas estaduais sejam incluídas no projeto, no início do próximo ano. Segundo o executivo, porém, as aulas de árabe não devem ficarrestritas ao Rio de Janeiro.

Você pode gostar