Por paulo.gomes

São Paulo - Escolher as estampas para compor os ambientes da casa é assunto dos mais discutidos na hora de decorar. A dúvida sobre o que funciona ou não é válida, porém, cada vez mais arquitetos e decoradores mostram-se abertos às diversas formas de uso e combinações. O essencial é manter o bom senso e sentir-se bem com o resultado. Algumas “fórmulas” básicas, entretanto, ajudam a evitar possíveis erros. “Investir em composês, ou seja, na composição de formas e cores, é uma das melhores maneiras para acertar sempre. Neste caso, repita nas estampas a tonalidade principal usada em móveis e paredes”, diz Marcela Brasileiro, arquiteta.

Ter sempre em mente o objetivo desejado é outra questão a ser observada. Listras, xadrez, bolinhas e tantos outros modelos geram sensações diversas e podem agradar ou não. Aqueles que desejam um resultado mais sutil na decoração devem investir em listras finas, tonalidades frias e suaves, além de figuras discretas nas ilustrações. E, mesmo quem desejar algo mais marcante, repleto de cores quentes, precisa lembrar-se do foco na hora de realizar as combinações.

Quer saber mais detalhes sobre como fazer bom uso das estampas? Confira abaixo a análise de oito espaços aprovados por nossas especialistas e suas dicas.

1 - Estampas diferentes combinam, desde que mantendo o mesmo tom

O ambiente planejado por Leonardo Junqueira, na mostra Etna 2013, assume proposta contemporânea e abusa de tons sóbrios. O arquiteto recorre a estampas listradas e arabescos para chamar atenção às paredes. O uso de listras verticais ajuda a alongar o pé-direito do espaço e a largura do modelo confere harmonia. “A listra funciona de maneira semelhante a um coringa na decoração. Além disso, escolher cinza e branco combina com qualquer estampa”, afirma Daniela Colnaghi, designer de interiores. Já os florões clássicos presentes na parede, trazem sofisticação e se destacam – apesar das cores neutras. O living ainda possui mobiliário reto e almofadas em degradê de cinza.

A base neutra do ambiente de Leonardo Junqueira permite ousar na escolha das estampasDivulgação

2 - Cores e grafismos semelhantes trazem harmonia

O papel de parede listrado, usado por Brunete Fraccaroli no ambiente da mostra Etna 2013, assume destaque na decoração. Além de alongar o pé-direito, a estampa reafirma o aspecto equilibrado das cores no estilo contemporâneo. O composê invade também os grafismos das almofadas e o próprio tapete do espaço (aumentando a importância das listras). “O mix de texturas está em alta e a arquiteta abusa da diversidade nas estampas, incluindo até mesmo letras nos quadros”, diz Letícia Ruivo, arquiteta. “As tendências apresentadas em Milão ficam evidentes nos acessórios de palha e vidro. Os tons de cinza e o azul-acinzentado trazem sobriedade e aconchego”, afirma.

As listras verticais alongam o pé-direito do ambiente e funcionam como um trunfo na decoraçãoDivulgação

3 - Estampas miúdas e tons pastel servem de base para outras com maior personalidade

O quarto infantil decorado por Ana Cristina Tavares e Claudia Krakowiack Bitran, na mostra Q&E, é valorizado pela presença de diversas estampas. É possível identificar elementos em xadrez, grafismos e até mesmo pequenas borboletas nos papéis de parede. A decoração mostra harmonia no uso de tonalidades pastel/frias em bege, marrom, verde-água e azul. “O estilo contemporâneo ainda oferece beleza na proposta romântica das borboletas”, diz Marília Caetano, arquiteta. As almofadas com estampa inspirada nas da grife Missoni proporcionam sensação de movimento. “As listras das almofadas se diferenciam das outras estampas pelas linhas curvas e assimétricas, o que valoriza o ambiente”, diz Letícia.

A irregularidades das listras presentes no quarto infantil confere a sensação de movimentoDivulgação

4 - Combinações clássicas de cor ajudam a brincar com diferentes estampas

O ambiente criado por Marcelo Rosset na mostra Q&E 2013 investe na combinação de cores no estilo navy (repleto de influências marítimas) – azul marinho, vermelho e branco. Os diversos tipos de estampas empregadas, listras de todos os tamanhos e muito xadrez, também chamam a atenção. A variedade não desperta conflito, já que tudo está harmônico. O vermelho usado nos pufes é marcante e, para reforçar a proposta, o profissional aumentou a largura das listras. “O modelo se faz presente na parede e forma um composê com a colcha xadrez. A ideia de apostar em listras horizontais é interessante porque alarga o espaço”, afirma Marília. O contraponto ao uso intenso de estampas é conseguido por meio de cores neutras em móveis retos e básicos.

O arquiteto Marcelo Rosset investe no uso de listras e traz beleza com o estilo NavyDivulgação

5 - Fidelidade ao tom principal ajuda a combinar diferentes estampas e formas geométricas

Listras e grafismos dividem a decoração do ambiente planejado por Roberto Migotto para a Casa Cor 2013. O uso das estampas é coordenado pelo clima praiano, trazendo ao espaço o branco e azul. “Quando usamos tonalidades iguais na estamparia, a possibilidade de erro diminui. O arquiteto foi ousado ao apostar no degradê tie-dye das paredes”, afirma Karina Vargas, designer de interiores. O mobiliário do loft de destaque também mostra força no uso de estampas. Listras invadem poltronas clássicas e conferem harmonia. A proposta geométrica do tapete não entra em conflito com as listras porque mantém as cores originais da temática.

A unidade decorativa é garantida com a presença constante das cores azul e brancoDivulgação

6 - Manter as listras na mesma direção reforça a sensação de harmonia mesmo com estampas distintas

O espaço decorado por Sig Bergamin para a Casa Cor 2013 é repleto de estampas. O estilo tailandês misturado às influências indianas revela força nas cores terrosas e garante beleza ao local. A variedade na estamparia é possível graças ao uso de tonalidades pastel – que trazem amplitude ao ambiente. “Outra vantagem foi investir em uma sala de estar neutra, servindo de contraponto aos motivos estampados”, afirma Marília. O arquiteto também consegue transmitir sensação de profundidade com a escolha de listras, na mesma direção, para o sofá, a cortina e o tapete. Além disso, peças de época marcam o estilo e completam a proposta elegante do arquiteto.

O arquiteto Sig Bergamin apostou em tons pastel e na diversidade das estampasDivulgação

7 - Bases neutras facilitam combinações mais ousadas

A cor cinza é a tonalidade básica do longe criado por Lilian Patrícia Dutra e Larissa Dutra Lopes na Casa Cor Santa Catarina 2013. A vantagem de uma base neutra é conseguir explorar totalmente o potencial da estamparia. As profissionais investiram nas clássicas estampas de poá, conhecidas como “petit-pois”, para equilibrar a sobriedade do ambiente. A decoração moderna ainda recebeu estampas quadriculadas, sempre em produções tom sur tom. “Os principais contrapontos foram o papel ilustrado e o laranja na parede. Tais elementos garantiram personalidade e não ofuscaram a beleza das estampas”, diz Karina.

O papel de parede ilustrado é o ponto de partida da decoração assinada por Lilian Dutra e Larissa LopesDivulgação

8 - Apostar em uma cor predominante é essencial quando há elementos diversos na decoração

A harmonia do ambiente criado pela Casa do Papel de Parede e Decorações é garantida pela mescla das cores branca, cinza, preta e vermelha. O estilo conhecido como navy assume a personalidade do espaço e as típicas listras horizontais alongam a bancada. “O ambiente clean intensifica a presença do vermelho, que é uma tonalidade quente e deixa tudo mais aconchegante. A ideia de apostar em uma cor predominante é essencial quando há elementos diversos na decoração”, afirma Daniela. Outra boa ideia foi o uso de estampas grandes na parede, uma vez que o pé direito permitiu e as cores básicas foram mantidas.

A proposta clean do ambiente ressalta a força do vermelho na decoraçãoDivulgação

As informações são de Bruna Bessi

Você pode gostar