Especialistas pedem cautela na hora do sinal para a compra da casa própria

Etapa na compra da unidade requer cautela para evitar perda do investimento

Por paulo.gomes

Rio - Uma prática habitual na compra do imóvel é o cliente dar um sinal à construtora para garantir o negócio. No processo há dois tipos de ‘amarrações’. A mais comum é o confirmatório, aquele que marca a execução do contrato e, no caso de desistência, o valor pago servirá como indenização. E o penitencial, que é um compromisso preliminar em que as partes estipulam multa na hipótese de arrependimento ou descumprimento do contrato. Nessa situação, a pessoa que deu o valor perde a quantia e quem as recebeu terá que devolver o dinheiro em dobro, caso o negócio não se concretize.

Especialistas orientam dar uma entrada menor na compra do imóvel%2C além de verificar a idoneidade tanto do corretor quanto da construtoraDivulgação

Mas, antes de desembolsar a quantia, é importante tomar cuidados. Para a Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências (Amspa), o aconselhável é dar uma entrada no menor valor possível e assim ganhar tempo para verificar as condições do imóvel e se vai conseguir crédito.

“Não é recomendado dar sinal alto, pois o consumidor pode correr o perigo de perder o investimento por ter o financiamento negado, problemas na documentação da propriedade ou até mesmo o vendedor agir de má-fé”, alerta Marco Aurélio Luz, presidente da associação.

Bruno Teodoro, diretor da Estrutura Consultoria, correspondente da Caixa, reforça que quanto menor o sinal, menos arriscada é a negociação. “O cliente precisa ter certeza do que está fazendo. Comprar na razão e não na emoção”, diz.

Para evitar dor de cabeça, a dica é pesquisar a idoneidade do corretor, certificando-se que ele tem registro válido no Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci). É recomendável ainda fazer o cálculo das despesas para saber se as prestações do financiamento não vão comprometer mais do que 30% da renda familiar, além de verificar as condições da moradia.

No caso de imóvel na planta, vale verificar a credibilidade da construtora, se a planta do empreendimento foi aprovada, se há ações cíveis, trabalhistas e criminais, e débitos na prefeitura, entre outros. Já para imóveis usados, conversar com vizinhos e verificar se a casa ou apartamento está penhorado ou com outros empecilhos que impeçam sua regularização são algumas orientações.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia