Papa é aguardado para inauguração de polo de atenção à saúde mental

Unidade será voltada para o tratamento psiquiátrico em geral

Por tamyres.matos

Rio - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, está no Hospital São Francisco de Assis na Providência de Deus, na Tijuca, Zona Norte do Rio, para a inauguração do Polo de Atenção Integral à Saúde Mental (PAI) nesta quarta-feira. O Papa Francisco é esperado para o evento. A unidade foi criada pela Associação e Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus e será voltada para o tratamento psiquiátrico em geral, mas com atenção especial para os dependentes químicos, inclusive usuários de crack. O Sumo Pontífice vai dar nome ao polo.

O PAI funcionará em um dos oito prédios do complexo hospitalar e vai ter uma área de 2 mil m². Serão 80 leitos e cerca de 80 profissionais entre psiquiatras, psicólogos, terapeutas ocupacionais e profissionais de enfermagem. A unidade vai custar R$ 4 milhões, sendo que R$ 2,5 milhões foram doados pela Conferência Episcopal Italiana.

Aproximadamente 500 fiéis já aguardam a chegada do Papa na TijucaAngélica Fernandes / Agência O Dia

"Muitas vezes, o dependente não consegue alcançar os resultados desejados na primeira internação. Ele poderá retornar até chegar o momento que chamamos de 'hora da graça', quando o paciente está preparado para enfrentar novamente o convívio social", explica o superintendente do polo, frei Francisco Belotti.

Milhares de pessoas formam um corredor da Rua Conde Bonfim até o hospital. Oitenta freis franciscanos vão cantar para o Santo Padre, além dos 300 dependentes químicos ou pacientes recuperados que também vão integrar um coral para o líder religioso.

Segundo o diretor executivo do polo, Ítalo Marsili, dados do Ministério da Saúde, mostram que o país tem cerca de dois milhões de pessoas dependentes de drogas como o crack, sendo que mais da metade está no Sudeste. No estado do Rio, a estimativa dele é de que sejam cerca de 600 mil dependentes. No entanto, há um déficit na estrutura de tratamento.

“A rede do Ministério da Saúde no Rio conta hoje com menos de 20 leitos espalhados por todos os hospitais. Então, você faz a conta e vê que não é suficiente”, afirmou Marsili à imprensa, durante entrevista sobre o polo na Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Além da carência de leitos, ele fala da dificuldade de adesão do paciente ao tratamento, em torno de 12%.

Para superar o problema, o frei Francisco aposta no treinamento da equipe de médicos e enfermeiros em bases franciscanas. “Não, jamais [vamos obrigar pessoas a ir à missa]. A nossa religiosidade é mais para os profissionais, no jeito de cuidar, de dar a medicação, de abordar, de entrar no quarto e acolher a família", explicou.

O polo de saúde mental funcionará no complexo do Hospital São Francisco de Assis, na Tijuca. A instituição busca estabelecer convênios com a prefeitura por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Por enquanto, atenderá gratuitamente.

Apresentação musical para o Papa

Além do coral, o cantor Alex Cohen foi escolhido para cantar para o Papa durante a sua visita ao hospital. O evento será para 1.500 convidados.

Alex Cohen, que lançou seu novo CD e DVD mês passado, apresentará o show Reluz especialmente para o Papa Francisco. Ele preparou uma surpresa, cantará exclusivamente "Eu me lembro", música inédita e uma de suas composições preferidas e que exalta Deus. Convidado pelo padre Hélio Paiva, diretor do hospital, Alex ficou muito emocionado com o convite:

"Desde a primeira vez que olhei para o Papa gostei dele, mas cantar para ele é mais que uma honra, é uma benção de Deus. Eu estou muito feliz",
ressaltou o cantor e compositor.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia