Retorno de peregrinos é mais tranquilo após missa em Copacabana

Volta foi menos penosa em comparação à noite de terça-feira, na celebração da abertura do evento

Por cadu.bruno

Rio - A volta de ônibus dos peregrinos que participaram da missa celebrada pelo Papa Francisco na Praia de Copacabana, na noite de quinta-feira, foi menos penosa em comparação a terça-feira, na celebração da abertura do evento. Pouco antes das 2h na Central do Brasil os últimos católicos embarcaram rumo à Zona Oeste.

O grupo de cerca de 100 argentinos superlotou um ônibus da linha 398, que seguia da Praça Tiradentes para Campo Grande, destino deles. Eles esperaram pela condução por cerca de 50 minutos. Apesar de cansados, os 'hermanos' demonstravam animação e não pareciam preocupados com o avançar da hora.

Peregrinos aguardam ônibus após missa em CopacabanaOsvaldo Praddo / Agência O Dia

"Em comparação à penúltima madrugada, o movimento de peregrinos nos pontos de ônibus aqui na Central é bem menor hoje. A nossa empresa colocou mais alguns ônibus extras", avaliou Enésio Nepomuceno da Silva, de 52 anos, motorista do ônibus da linha 398, que levou os argentinos para Campo Grande. Na terça-feira, o ônibus dele também ficou superlotado, por volta das 2h30, ao transportar um grupo de paulistas, italianos e argentinos.

Após a saída dos argentinos, um grupo de 30 peruanos e três argentinos embarcou em uma van para a Vila Kennedy, em Bangu, também na Zona Oeste. Eles tinham acabado de chegar à Central do Brasil após peregrinar pela cidade. Após a missa, todos pegaram um ônibus errado para o Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca. Eles voltaram para Copacabana para só então seguir para o Centro.

Em Copacabana, o número de peregrinos nos pontos de ônibus para o Centro e a Zona Norte era pequeno, por volta de 1h30. Às 2h, os últimos manifestantes que participaram de um protesto pacífico contra o governador Sérgio Cabral dispersaram na Avenida Princesa Isabel.

Eles chegaram a fechar a via entre o fim da noite de quinta-feira e o início da madrugada desta sexta-feira. Bombas foram arremessadas dentro do Túnel Novo. Com medo motoristas voltaram de ré. O trânsito teve que ser desviado e houve congestionamento.

O protesto começou no fim da tarde na Avenida Delfim Moreira, no Leblon, na esquina da rua onde mora Sérgio Cabral. A manifestação passou por Ipanema e chegou à Copacabana. A PM acompanhou toda a movimentação até o fim.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia