Por tabata.uchoa
Publicado 27/07/2013 13:30 | Atualizado 27/07/2013 23:33

Rio - Depois das filas do metrô e do kit-peregrino, no Sambódromo, neste sábado o perrengue da vez foi no Aterro do Flamengo, durante a retirada do kit-vigília. Mas nada reduziu a alegria e a fé dos jovens religiosos que caminharam 9,5 km da Central a Copacabana. Três horas após a liberação do material, às 10h, a fila atingia três quilômetros de comprimento. Houve reclamação e desistência.

Um grupo do Uruguai, que caminhava da Central até o local dos kits — tendas em frente ao Monumento dos Pracinhas — seguiu sem os alimentos.

“Não há organização nas filas. Ficamos uns 30 minutos em uma, que depois descobrimos estar errada”, desabafou o uruguaio Willian Guerda, 23 anos, que não pegou o kit.

Quem chegou cedo ao Aterro, como o grupo de paulistas de Bela Vista, garantiu o material sem problemas. “Já imaginávamos que teria fila e viemos de madrugada”, contou Janaína de Castro, 23. Ela e seu grupo estavam hospedados em Guaratiba, próximo ao Campos Fidei. Na noite de sexta, decidiram dormir na Central. “Cochilamos em colchonetes na estação”, completou.

Peregrinos enfrentam fila para pegar Kit Vigília neste sábadoSeverino Silva / Agência O Dia

O kit foi distribuído em uma caixa de papelão com variedades que iam desde suco e achocolatado até atum enlatado e queijo cremoso. “Tem comida que dá para aguentar até o fim da vigília”, contou a baiana Lizandra Neves, 23.

Quem decidiu enfrentar a fila improvisou para passar o tempo. Argentinos cantavam e um grupo de gaúchos orava. Com sorriso e um ‘bom-dia’ no idioma de cada peregrino, militares das Forças Armadas se espalharam no Aterro para garantir a segurança e entregar panfletos com a foto do Papa e a oração de São Francisco. No verso, texto trilíngue pedindo a colaboração dos fiéis para informações de possíveis ameaças ao Papa e à população. Constava ainda telefone para denúncias (2410-1001), e-mail e página no Twitter (@jmjseg).

Receio entre os turistas

O clima é de alegria, mas há receio entre os peregrinos. Na manhã de ontem, grupos comentavam a onda de manifestações na cidade. Na sexta-feira, centenas de pessoas aproveitaram a Via Sacra, para um protesto pacífico contra o governo.

Peregrinos no Aterro do Flamengo neste sábadoSeverino Silva / Agência O Dia

O estudante Brian Guilherme, 17 anos, que veio do Paraná com 50 pessoas, admitiu preocupação. “Meus pais ficam preocupados com as manifestações e querem notícias o tempo todo”, contou. Gabriela Mendes, de Tocantins, revelou que deixou de assistir à encenação da Via Sacra temendo o protesto.

Já o americano John Steven, 19, não está assustado. “O povo do Rio é amigo e receptivo. Os manifestantes estão lutando por seus direitos”.

Você pode gostar