Copacabana megaevento

Jornada Mundial da Juventude foi a prova de fogo para o bairro de Copacabana, que consagra vocação para receber multidões

Por thiago.antunes

Rio - A Princesinha do Mar é, cada vez mais, a queridinha do Rio de Janeiro. A multidão de aproximadamente 3 milhões de pessoas que tomou conta de Copacabana nos últimos dias da Jornada Mundial da Juventude mostrou, definitivamente, a vocação para receber grandes eventos.

Acostumada a multidões somente no Réveillon ou em shows bissextos, como o dos Rolling Stones em 2006, que também reuniu mais de um milhão de pessoas, o bairro passou por um teste de fogo nesta Jornada Mundial da Juventude.

Ele servirá de exemplo para os próximos eventos na cidade, como a Copa do Mundo no ano que vem e a Olimpíada em 2016. Mas houve reclamação. “Estes eventos são um barato. Agregam valor ao bairro, mas é preciso que venham acompanhados de uma melhor estrutura. Sempre deixamos a desejar em quesitos como limpeza urbana, segurança, transporte” disse Sérgio Rabello, dono do Galeto Sat’s, que há 37 anos recebe turistas do meio-dia às 6h.

Praia de Copacabana amanheceu completamente lotada por causa da vigíliaMaria Luiza Mesquita / Agência O Dia

Ele lembrou, por exemplo, que a maioria dos banheiros químicos chegou na madrugada de domingo. O corretor de imóveis Pedro Silva tem na ponta do lápis o resultado da valorização do bairro. Uma quitinete de apenas 30 metros quadrados saía por cerca de R$ 180 por dia na semana do Réveillon. Se o turista quiser reservar agora uma semelhante para o próximo Ano-Novo, o preço chega a R$ 230 por dia, na Avenida Atlântica.

O preço é o mesmo para o período da Copa do Mundo, em junho do ano que vem. “É uma valorização sem precedentes. Não dá para fazer previsão agora. O quadro ainda pode mudar bastante até lá”, avalia o corretor.

Alívio com o fim da Jornada

O fim da JMJ foi um alívio para os moradores de Copacabana. Leandro Murad, 30 anos, teve que ficar ilhado em casa enquanto era realizada a Jornada.

A supervisora comercial Adriana Porto, 34, saiu neste domingo pela primeira vez de casa com a família desde que começou a JMJ e disse que teve dificuldades para almoçar no bairro.

“Os restaurantes não aguentaram o volume de peregrinos. As ruas ficaram muito cheias. Tentei ao máximo evitar sair de casa”, contou.



Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia