Por juliana.stefanelli

Cairo (Egito) - Pelo menos 2.014 pessoas morreram na Síria desde o início do mês de jejum muçulmano do Ramadã, em 10 de julho, informou nesta quinta-feira o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O diretor da organização, Rami Abderrahaman, disse que entre estas vítimas há 639 civis. Os mortos também incluem 816 rebeldes, dos quais 30 são soldados desertores e 241 combatentes.

Abderrahman acrescentou que 507 integrantes das forças leais ao regime de Bashar al Assad morreram. Além disso, 52 mortos não puderam ser identificados até o momento. Pelo menos 93.000 pessoas perderam a vida na Síria desde o início do conflito, em março de 2011, segundo dados das Nações Unidas, embora o Observatório, com sede em Londres mas com uma ampla rede de ativistas no terreno, afirme que o número de mortos é de mais de cem mil.

Você pode gostar