Celibato será discutido em breve pelo Vaticano

Em entrevista, principal assessor do Papa Francisco admite que regra poderá ser revista

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Cidade do Vaticano - Recém nomeado pelo Papa Francisco como Secretário de Estado do Vaticano, o italiano Pietro Parolin, 58 anos, admitiu, em entrevista publicada no jornal ‘El Universal’, que o celibato entre os integrantes da Igreja Católica será em breve discutido pela Santa Sé. “O celibato não é um dogma da Igreja e pode ser discutido porque é uma tradição eclesiástica”, declarou Parolin, designado em 31 de agosto para o posto de ‘número 2’ do Vaticano.

“É preciso levar em conta o momento de se adotar decisões, os critérios (a vontade de Deus, história da Igreja), assim como a abertura aos sinais dos tempos”, afirmou o religioso, que ainda ocupa a posição de núncio da Venezuela, mas que viajará a Roma nos próximos dias para ocupar formalmente a cadeira de Secretário de Estado do Vaticano. Seu novo cargo é o de uma espécie de ‘vice-Papa’: cobre todas as atividades da adminstração da Igreja.

Papa Francisco escolheu seu novo número 2 no dia 31 de agosto Agência EFE

Ainda na entrevista, Parolin disse que o debate sobre o celibato é um ‘desafio’ para Francisco. “O esforço que a Igreja fez para instituir o celibato eclesiástico deve ser considerado. Não se pode dizer, simplesmente, que pertence ao passado. É um grande desafio para o Papa, e todas essas decisões devem ser assumidas como uma forma de unir a Igreja, não de dividi-la”, acrescentou.

O novo ‘número 2’ considera que as mudanças no Vaticano, promovidas pelo Papa, podem ser alcançadas com um “espírito democrático” e “uma condução colegiada da Igreja onde todas as instâncias podem se expressar.” “Sempre foi dito que a Igreja não é uma democracia. Mas é bom, atualmente, que haja um espírito mais democrático no sentido de escutar atentamente”, afirmou o substituto do cardeal Tarcisio Bertone, cuja gestão de muitos anos como Secretário de Estado foi marcada por escândalos financeiros.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia