Índia condena à morte os quatro homens que estupraram estudante

'No momento em que crimes contra mulheres estão aumentando, tribunal não pode fechar os olhos a esse ato grotesco', disse juiz

Por juliana.stefanelli

Nova Deli (Índia) - A Justiça da Índia condenou nesta sexta-feira à morte os quatro homens acusados do estupro coletivo de uma estudante de 23 anos em Nova Délhi, a capital do país. A decisão foi proferida pelo juiz Yogesh Khanna. Segundo o magistrado, o caso deve ser classificado na "categoria dos mais raros dos raros".

A legislação na Índia determina a pena de morte para certos crimes, mas as execuções são raras. Em 2004, um homem de 39 anos foi executado pela violação e morte de uma adolescente de 14 anos.

“No momento em que os crimes contra as mulheres estão aumentando, o tribunal não pode fechar os olhos a esse ato grotesco", disse o juiz. Nas imagens, divulgadas pelas emissoras de televisão locais, os quatro acusados apareceram com lágrimas nos olhos. Vinay Sharma, um dos condenados, chorou e gritou ao ouvir a sentença de morte.

Porém, do lado de fora do tribunal uma multidão aplaudiu ao saber da sentença. O procurador-chefe, Dayan Krishnan, comemorou o resultado. “Fizemos o nosso trabalho. Estamos contentes com essa sentença". A família da vítima também disse ter ficado satisfeita com a decisão.

O crime ocorreu em dezembro de 2012. Os quatro homens atacaram a universitária dentro de um ônibus em Nova Délhi. Ela sofreu agressões sexuais e foi atirada para fora do veículo. O caso gerou comoção internacional. Ela sobreviveu, por duas semanas, mas acabou morrendo devido a lesões internas.

A estudante foi agredida por seis homens. Um deles morreu na prisão e outro, adolescente, foi condenado, em agosto, a três anos de prisão. O caso desencadeou uma onda de protestos na Índia. Manifestantes exigiram mudanças na legislação e mais segurança.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia