Líder da Al Qaeda pede que fiéis cometam ataques contra EUA

Atentado tem como objetivo enfraquecer a economia americana por ocasião do 12º aniversário de 11 de setembro

Por juliana.stefanelli

Cairo (Egito) - O líder do grupo terrorista Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri, convocou os muçulmanos a cometerem ataques contra os Estados Unidos para enfraquece-los economicamente em uma gravação divulgada nesta sexta-feira na internet por ocasião do 12º aniversário de 11 de setembro. Zawahiri pediu que os fiéis mantenham os EUA em estado de alerta e tensão diante da incerteza de quando ocorrerá o próximo atentado.

"Além de lançar ataques esporádicos em diversos lugares, como a guerra de guerrilhas na Somália, Iêmen, Iraque e Afeganistão, devemos persegui-los nesta guerra em sua própria casa", afirmou o líder em um trecho da mensagem, de mais de uma hora de duração.

O dirigente explicou que para se chegar a este objetivo não é necessário que um grande número de pessoas realizem ataques, e que um ou poucos indivíduos já são suficientes. A meta é "desgastar aos Estados Unidos economicamente e fazer com que prossigam com seus grandes gastos militares para garantir sua segurança", disse Zawahiri.

O líder argumentou que o ponto fraco dos EUA é sua economia, que começou a cambalear por estas despesas, que se continuarem "eles cairão como caíram antes impérios arrogantes". Por isso, o dirigente pediu aos muçulmanos que boicotem a economia americana e que substituam o dólar pela moeda de países que não participem de agressões contra o povo islâmico.

A mensagem do líder da Al Qaeda, cuja autenticidade não pôde ser comprovada, foi publicada por causa do aniversário dos ataques de 11 de setembro de 2001 em território americano. Para Zawahiri, esses atentados foram "o resultado dos crimes dos Estados Unidos contra os muçulmanos e a ocupação de terras muçulmanas".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia