Por helio.almeida

Washington (EUA) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou nesta segunda-feira o ataque ocorrido em uma base naval na capital Washington, descreveu a ação como "um ato covarde" e pediu que seus autores sejam julgados. Até agora não há um número oficial de vítimas, embora fontes policiais tenham dito para a imprensa que pelo menos sete pessoas morreram, incluíndo o atirador, e cinco pessoas ficaram feridas, entre elas um policial e duas mulheres em estado grave.

Obama quer suspeitos capturadosReuters

"Sabemos que várias pessoas ficaram feridas e algumas morreram", acrescentou Obama sem dar detalhes, pois não se sabem "ainda de todos os detalhes" do ataque. Obama falou sobre o atentado no início de um pronunciamento na Casa Branca, que fica a oito quilômetros do prédio da Marinha, para fazer um pronunciamento sobre o andamento da economia americana.

Em entrevista coletiva, a chefe da polícia metropolitana, Cathy Lanier, disse que um atirador morreu e que as forças de segurança buscam outros dois suspeitos. A policial descreveu os suspeitos como um homem branco e o outro homem negro, de cerca de 50 anos, ambos com uniformes militares. "A grande preocupação para nós agora é que temos outros dois atiradores que ainda não foram encontrados", disse Lanier.

A Marinha, por meio de mensagem no Twitter, confirmou o crime, ocorrido no edifício onde fica a sede da Chefia de Operações Navais e outras unidades militares. Agentes do FBI também foram acionados. O prefeito do distrito de Columbia, Vincent Gray, disse que um atirador entrou em um dos edifícios da base naval, onde trabalham cerca de três mil pessoas, "e começou a disparar".

PrédioReuters

"O policial transferido para cá apresenta múltiplos ferimentos de balas nas pernas", informaram médicos aos jornalistas. "Uma das mulheres tem um ferimento no ombro, a outra na cabeça e na mão", acrescentou. A porta-voz disse que, de acordo com o comunicado pelos feridos, foram usadas armas automáticas no ataque.

Os funcionários que trabalham no local receberam ordem para se trancarem em seus gabinetes enquanto uma busca é realizada no prédio. A polícia estendeu sua vigilância aos bairros vizinhos e intensificou a vigilância em torno do Capitólio, a alguns quilômetros da base da Marinha.

Os voos no aeroporto Ronald Reagan chegaram a ser suspensos após o incidente, mas a situação já foi normalizada. A rede de televisão CNN afirmou que seis escolas nos arredores foram fechadas por precaução.

De acordo com os jornais locais, o acesso ao complexo é restrito e a apresentação de credenciais é obrigatória. Segundo a Marinha dos EUA, cerca de 3.000 pessoas trabalham no prédio que funciona como um centro de comando da Marinha e é responsável por um quarto de todo o orçamento da instituição.

Você pode gostar