Ambientalista pede limpeza de ilhas de plástico nos oceanos

'Sopas de plástico' podem ultrapassar estado norte-americano do Texas

Por juliana.stefanelli

Sydney (Austrália) - O cientista e ecologista canadense David Suzuki, conhecido pelas séries de televisão sobre o meio ambiente, apelou nesta sexta-feira em Sydney, na Austrália, pela limpeza das chamadas “sopas de plástico” nos oceanos.

Em entrevista à cadeia ABC, Suzuki disse que “alguém tem de limpar” essas enormes ilhas de plástico que podem ultrapassar o tamanho do estado norte-americano do Texas e que têm pequenos detritos que são confundidos com o plâncton pelos peixes.

As “sopas de plástico”, descobertas pela primeira vez em 1997, vão se formando e aumentando de tamanho por ação das correntes marítimas.

O ambientalista está na Austrália para participar de campanha pela proteção dos oceanos. Ele alertou também para as consequências da pesca indiscriminada e da acidificação dos mares pela queima de combustíveis fósseis.

Suzuki apelou aos governos para que peçam a ajuda de cientistas para amenizar os efeitos das alterações climáticas e criticou os governos conservadores de países como o Canadá e a Austrália por ignorarem informação científica sobre o meio ambiente. Disse que são gastos milhões de dólares para tentar convencer a maioria das pessoas de que a ciência relacionada com as alterações climáticas é um absurdo.

Ele admitiu que os custos da limpeza são elevados, mas disse que alguém tem de fazer a limpeza doméstica do mundo. As ações para mitigar as alterações climáticas são incômodas do ponto de vista econômico, mas a sobrevivência do mundo está em jogo”, enfatizou.

David Suzuki criticou ainda o novo governo australiano, liderado por Tony Abbott, por suspender a Comissão de Alterações Climáticas e desmantelar a Autoridade de Mudanças Climáticas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia