Objetos do assassino de John Kennedy são os mais cotados em leilão nos EUA

Lote do franco-atirador foi arrematado por até US$ 65.591

Por karilayn.areias

Objetos de Lee Harvey Oswald%2C assassino de John Kennedy%2C são os mais cotados em leilãoReprodução Internet

Nova York (EUA)- O mórbido se fez presente na segunda sessão que a casa de leilões RR Auction dedicou nesta quarta-feira para objetos relacionados com o ex-presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy, já que o colar de recém-nascido de seu algoz, Lee Harvey Oswald, assim como sua etiqueta de identificação no necrotério, foram os mais cotados. Até US$ 65.591 foram pagos pelo lote de objetos do franco-atirador e autor do assassinato de 22 de novembro de 1963 em Dallas, (Texas).

Os objetos consistiam em um colar de contas azuis para o pescoço de um bebê, com seis contas brancas que levam escritas em negro as letras de seu sobrenome, Oswald, e a etiqueta de identificação de seu corpo no necrotério, com a hora exata de sua morte. Já na primeira sessão desse leilão, que aconteceu no dia 24 de outubro, o anel de casamento de Oswald foi o objeto arrematado pelo maior preço, chegando a US$ 108 mil. A segunda peça de maior preço foi arrematada por US$ 36.709. Trata-se da cadeira de balanço de madeira escura com uma águia dourada e três estrelas que o 35º presidente dos Estados Unidos tinha em sua mansão de Hyannis Port, em Cape Cod (Massachusetts).

Em terceiro lugar ficou o molho de chaves da limusine presidencial na qual morreu JFK, que foi arrematado por US$ 26.334. Gravatas, fotografias, bolas de golfe, cartas, faturas e inclusive panfletos de propaganda política foram alguns dos 228 objetos leiloados nesta quarta-feira através da internet pela RR Auction.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia