Manifestantes na Ucrânia convocam greve geral enquanto crise afeta moeda

Protestos no sábado e domingo, nas quais houve confrontos violentos com a polícia, atraíram cerca de 350 mil pessoas

Por joyce.caetano

Ucrânia - Manifestantes bloquearam o principal edifício do governo nesta segunda-feira, tentando forçar com uma greve geral o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, a deixar o cargo, depois que centenas de milhares de pessoas protestaram contra sua decisão de abandonar um pacto de integração do país com a União Europeia.

Manifestações no sábado e no domingo, nas quais houve confrontos violentos com a polícia, atraíram cerca de 350 mil pessoas, no maior protesto público no ex-Estado soviético desde a chamada "Revolução Laranja" contra irregularidades políticas e fraude eleitoral nove anos atrás.

O primeiro-ministro ucraniano, Mykola Azarov, acusou a oposição de planejar a tomada do Parlamento, enquanto Yanukovich apelava por calma, dizendo que os protestos têm de ser pacíficos e de acordo com a lei.

"Qualquer paz é melhor do que uma guerra boa", afirmou Yanukovich em sua primeira declaração sobre a agitação no fim de semana. "Todo mundo tem de respeitar as leis de nosso Estado."

No entanto, num indício de que considera as condições de segurança sob controle, Yanukovich anunciou que manterá seus planos de viajar na terça-feira para a China, onde buscará empréstimos e investimentos para evitar uma crise de dívida.

Sua decisão de abandonar um pacto comercial com a União Europeia e, em vez disso, buscar relações mais estreitas com a Rússia desencadeou fortes paixões em um país onde a maioria das pessoas sonha em se unir à tendência da maioria na Europa e escapar da órbita de Moscou.

A agitação decorrente dessa decisão abalou os mercados financeiros da Ucrânia, evidenciando o frágil estado de sua economia.

O banco central do país foi forçado a intervir para sustentar a moeda local, a hryvnia, e ameaçou tomar mais medidas, numa amostra da vulnerabilidade da Ucrânia num momento em que busca para o ano que vem mais de 17 bilhões de dólares para pagar as despesas com gás e o custeio da dívida

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia