Por nara.boechat

Guatemala - Pelo menos sete jogadores do Xelajú, entre eles dois brasileiros, foram acusados de agredir um jovem de 14 anos, em uma tentativa de "trote", pela sua promoção ao elenco profissional do clube que disputa a primeira divisão do Campeonato Guatemalteco. Mario Humberto Rodas Ramírez, integrantes da divisão de base do Xelajú, apresentou denúncia contra o grupo, à promotoria da cidade de Quetzaltenango, onde o Xelajú é sediado.

O jovem atleta revelou ao jornal "El Quetzalteco" que foi espancado, sofreu ferimentos nos órgãos genitais e teve o cabelo cortado, ao não aceitar ter sido "batizado" como jogador do elenco. Segundo Ramírez, o atacante brasileiro Israel Silva, de 32 anos, foi quem o abordou na última quinta-feira para iniciar o ritual, que a princípio, consistiriam apenas no corte do cabelo.

"Israel Silva me pegou pelo pescoço, neste momento Sergio Morales (meia costarriquenho) me agrediu e eu o empurrei. Ele se irritou e me agarrou os genitais. Eu gritava que me soltassem, mas os demais jogadores se juntaram, me seguraram pelos pés e mãos, e depois me cortaram o cabelo", disse o jovem, segundo publica o jornal.

Entre os outros envolvidos, estariam o zagueiro Juliano Rangel, de 31 anos, além do goleiro hondurenho José Mendoza, e os guatemaltecos Milton Leal, Julio Estacuy e Kevin Arriola. A promotoria de Quetzaltenango já iniciou investigações. Até agora, nem jogadores, nem o clube se pronunciaram a respeito do caso. O Xelajú terminou em 10º lugar o recém-concluído Torneio Apertura do Campeonato Guatemalteco.

Você pode gostar