Por tiago.frederico

Uruguai - O ministro de Economia e Finanças do Uruguai, Fernando Lorenzo, renunciou ao cargo neste sábado em meio a uma investigação da Justiça por sua participação na falência da companhia aérea Pluna, confirmou o presidente do país, José Mujica. Em pronunciamento a jornalistas, Mujica disse que o governo uruguaio "sente a perda" do funcionário.

Lorenzo e o presidente do Banco da República Oriental do Uruguai (Brou), Fernando Calloia, prestaram hoje depoimento à juíza do Crime Organizado, Adriana de los Santos, em relação ao caso Pluna.

O empresário argentino Matías Campiani, ex-gerente da companhia aérea uruguaia, ficou detido na madrugada passada em Montevidéu, após depor à Justiça por mais de 12 horas. Mujica, que se pronunciou na sede da presidência, junto com o vice-presidente Danilo Astori, disse que o governo "não tem dúvidas" sobre a "integridade ética e o compromisso positivo com o interesse nacional" de Lorenzo e do presidente do Brou.

O líder também enumerou as ações empreendidas pelo Executivo para evitar a quebra da Pluna e, uma vez ocorrida, para tentar minimizar os custos. Mas "é óbvio que os resultados para nada foram satisfatórios" e a Justiça "resolverá se foram cometidos erros instrumentais", afirmou o presidente. "Lorenzo nos entregou hoje a renúncia por própria iniciativa (pouco antes de se apresentar à juíza do Crime Organizado) buscando facilitar o caminho à Justiça", afirmou o chefe de Estado uruguaio.

Segundo Mujica, Lorenzo "teve uma atuação brilhante e por momentos quase obsessivo com o interesse do país". "Respeitaremos integralmente as decisões que a Justiça tomar, como deve ser em uma sociedade de direito", acrescentou. Após o anúncio, o presidente uruguaio se retirou da sala de conferências da presidência sem que fossem permitidas perguntas por parte da imprensa.

Você pode gostar