Líder de milícia ordenou estupros e massacres no Congo, diz promotora

Acusações foram apresentadas nas audiências iniciais de um processo que é visto como um teste para a corte internacional

Por tamara.coimbra

Congo - Um líder miliciano congolês conhecido como "Exterminador" ordenou que seus soldados, alguns deles crianças, cometessem massacres e estuprassem civis para disseminar o terror e ocupar territórios, disseram promotores ao Tribunal Penal Internacional na segunda-feira. As acusações contra Bosco Ntaganda foram apresentadas nas audiências iniciais de um processo que é visto como um teste para a corte internacional, após vários casos conturbados. Ntaganda ainda não se declarou culpado ou inocente.

"Ele desempenhou um papel crucial em planejar ataques contra a população civil a fim de conquistar território", disse a procuradora-chefe Fatou Bensouda ao apresentar as alegações com base nas quais os juízes decidirão se Ntaganda deve ser levado a julgamento.

Ntaganda, um oficial militar de alta patente, é membro da etnia hema, acusado de cometer crimes contra a humanidade e crimes de guerra contra os lendus e outros grupos étnicos, na tentativa de expulsá-los da região de Ituri entre setembro de 2002 e setembro de 2003, segundo a promotora.

Bosco Ntaganda é acusado de cometer crimes contra a humanidade e crimes de guerra contra os lendus e outros grupos étnicosReuters


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia