Maduro: não renunciarei a mandato dado pelo povo

Presidente venezuelano afirmou que, em caso hipotético de que seja 'derrubado do poder', a oposição do país enfrentaria 'grandes problemas'

Por tamara.coimbra

Venezuela - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse no sábado que não renunciará e que “não entregará um só milímetro do poder que recebeu do povo do país”. Em meio a fortes protestos que enfrenta, ele participou de marcha em Caracas. Durante a marcha, ele disse que aprofundará a “revolução bolivariana muito além dos limites”. A marcha havia sido convocada pelo governo na última sexta-feira, em apoio a um “plano de pacificação” lançado para combater a criminalidade no país. A idéia da marcha, de acordo com o presidente, era de “reunir a população em prol da paz e contra o fascismo”.

Em seu discurso, direcionado a uma multidão de simpatizantes e partidários do chavismo, Maduro afirmou que, em caso hipotético de que seja “derrubado do poder", a oposição do país enfrentaria “grandes problemas”. E acrescentou: "Se um golpe ocorresse, a revolução pacífica e democrática vivida atualmente poderia mudar seu caráter, talvez para um caráter armado e profundamente revolucionário”. Ele voltou a acusar a oposição de planos de um golpe de Estado e estendeu as acusações ao ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, conhecido por suas posições de direita.

“Tenho provas de que Uribe preparou este grupo de Leopoldo López, o financiou, o assessorou e o dirigiu para atentar contra a Venezuela e o povo”, acusou Maduro. E ameaçou: “Te derrotaremos sempre”. Leopoldo López é um integrante da oposição do país, acusado pelo governo de ter sido o mentor dos atos violentos ocorridos nos protestos da ultima quarta-feira. A Justiça decretou uma ordem de prisão para detê-lo, mas ele está foragido.

O ex-presidente Álvaro Uribe, agora candidato ao senado na Colômbia, não respondeu às acusações de maneira direta, mas disse em sua conta no Twitter e em entrevistas à emissoras de TV colombianas que “apoia a democracia na Venezuela” e disse expressar “solidariedade ao povo venezuelano”.

Maduro também falou a veículos de comunicação extrangeiros. "Mandei uma mensagem muito clara para esse canal de notícias [o colombiano NTN24], onde, por trás, está a mão de um fascista inimigo da Venezuela, Alvaro Uribe". O presidente confirmou em seu discurso que a decisão de retirar o canal NTN24 foi tomada por seu governo. Segundo ele, a cobertura "buscava gerar apenas medo, perturbação e ódio, para promover um golpe de Estado".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia