Terremoto deixa 4 mortos e 100 casas destruídas no Afeganistão

O arco oriental do Afeganistão, está localizado em uma região do planeta sensível a frequentes tremores de terra devido à confluência de grandes placas tectônicas

Por tamara.coimbra

Afeganistão - Pelo menos quatro pessoas morreram e cerca de uma centena de casas ficaram destruídas por um forte terremoto que atingiu neste sábado o norte do Afeganistão, informou à Agência Efe uma fonte oficial.

O tremor, de magnitude 4,1 segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS, sigla em inglês), aconteceu às 2h30 locais (19h de Brasília da sexta-feira) e afetou às localidades de Khawaja Khairaq e Pesta Mazar, no distrito de Rustaq da província de Takhar, disse o porta-voz provincial da polícia, Khalil Agarrar.

"Até agora quatro pessoas foram encontradas mortas e pelo menos 100 casas foram destruídas", relatou o porta-voz, que explicou que "existe o temor de que haja mais vítimas" e que uma equipe de resgate foi enviada ao local.

No dia 4 fevereiro de 1998, pelo menos 2,4 mil pessoas morreram em um terremoto de magnitude 5,9 no distrito de Rustaq e três dias depois outro terremoto de magnitude 6 na mesma região causou outras 250 mortes.

No dia 30 maio daquele mesmo ano, mais 400 pessoas morreram em um terremoto de magnitude 7,1 na província de Takhar.

O arco oriental do Afeganistão, que está localizado entre o norte do Paquistão e o sudeste do Tadjiquistão, é cortado pela cordilheira Hindukush, uma das mais elevadas do mundo com montanhas de mais de 7 mil metros de altitude, uma região do planeta sensível a frequentes tremores de terra devido à confluência de grandes placas tectônicas.

Os terremotos e outras catástrofes naturais costumam ter repercussões graves no Afeganistão, devido à infraestrutura precária do país, que tem um dos piores indicadores de desenvolvimento do mundo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia