Por julia.sorella

Irã - Quando sentiu a corda em seu pescoço, o iraniano Balal deve ter pensado que estava prestes a dar seu último suspiro. Mas apenas minutos antes de ser enforcado por um crime que cometeu sete anos antes, a mãe da vítima concedeu o perdão e o salvou da morte, em Nowshahr, Irã.

O acusado estava na casa dos 20 anos quando esfaqueou Abdollah Hosseinzadeh, de 18, durante uma briga de rua na pequena cidade de Royan, no norte da província de Mazandaran. Em aplicação literal da qisas, a lei de represálias vigente no país, a família da vítima participava da punição à Balal quando a mãe de Hosseinzadeh se aproximou, bateu no rosto do condenado e, em seguida, concedeu o perdão ao assassino de seu filho. O pai da vítima, então, retirou a corda do pescoço de Balal e sua vida foi poupada.

Fotos tiradas por Arash Khamooshi, da agência de notícias semi-oficial Isna, mostraram o que se seguiu. A mãe do condenado a forca abraçou a mãe da vítima. As duas mulheres soluçavam uma nos braços da outra - uma porque havia perdido seu filho e a outra porque teve a vida do seu poupada.

"Meu filho de 18 anos de idade, Abdollah foi dar um passeio com seus amigos quando Balal o empurrou", explicou o pai do jovem esfaqueado, Abdolghani Hosseinzadeh, de acordo com a Isna. "Abdollah ficou ofendido e o chutou, mas neste momento o assassino tirou uma faca de cozinha de suas meias."

Execuções públicas são comuns no Irã, país que sentencia mais pessoas à morte do que qualquer outro país, além da China.

Você pode gostar