Nigerianos matam terroristas do grupo que raptou meninas

Moradores de aldeia alegaram legítima defesa porque militares nigerianos não estavam conseguindo conter os ataques

Por felipe.martins , felipe.martins

Abuja, Nigéria - Moradores de aldeia da Nigéria mataram entre 100 e 200 membros da seita radical islâmica Boko Haram, que fariam um novo ataque à região, em uma emboscada no norte da Nigéria, informaram fontes políticas e moradores do Estado de Borno. Grupos de moradores ‘vigilantes’ foram formados para resistir à violência do Boko Haram, que vem mantendo 276 meninas reféns há mais de um mês. Os ‘vigilantes’ teriam emboscado dois caminhões com vários homens armados.

Um deputado de Borno confirmou o ataque ao jornal nigeriano Daily Trust, sem revelar sua identidade.

Os moradores disseram que decidiram se defender com as próprias mãos porque militares nigerianos não estavam fazendo o suficiente para conter os ataques constantes dos terroristas.

Ontem, o presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, rejeitou a ideia de libertar prisioneiros muçulmanos das cadeias do país em troca da liberdade das meninas. A proposta fora feita segunda-feira pelo Boko Haram.

“Ele (o presidente) deixou bem claro que não haverá negociações com o Boko Haram que envolva uma troca de alunas sequestradas por presos”, afirmou o ministro da Grã-Bretanha para a África, Mark Simmonds, em entrevista coletiva após uma reunião em Abuja, capital da Nigéria, ontem.

As garotas, adolescentes, foram retiradas de uma escola dia 14 de abril, sob a mira de armas. O grupo islâmico é contra a presença feminina em salas de aulas. Extremamente armados, eles lutam pela formação de um estado islâmico na região. Além dos raptos de meninas, costumam promover chacinas em aldeias.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia