Por felipe.martins

Calábria - O papa Francisco excomungou a máfia pelo sofrimento imposto por seus membros às crianças em sua primeira visita realizada ontem à Calábria (sul da Itália), reduto de um dos grupos organizados mais perigosos da Itália. Perante cem mil fiéis, o pontífice disse que a máfia “adora o mal e despreza o bem comum”.

“É preciso combatê-la, é preciso dizer não a ela. Os que escolheram esse mau caminho estão excomungados”, advertiu o papa durante uma missa.

Francisco se reuniu com parentes de Nicola Campolongo, o ‘Coco’, menino de 3 anos assassinado em janeiro deste ano pela máfia N’drangheta. O encontro, que não estava previsto inicialmente na agenda do pontífice, aconteceu durante a visita dele à prisão de Castrovillari, na província de Cosenza, também na região da Calábria. “Rezem todos os dias por ele. Nunca mais uma criança deve suportar tais sofrimentos”, disse o papa às duas avós do pequeno Nicola.

Durante a visita aos presos, entre os quais está o pai de ‘Coco’, o papa Francisco pediu que eles se arrependessem de seus pecados e, ao mesmo tempo, solicitou às autoridades penitenciárias que trabalhem para conseguir a reinserção social dos condenados.

Francisco beijou diversas crianças após a missa celebrada na Calábria%2C em sua primeira visita à regiãoEfe

Após a visita à penitenciária, o pontífice viajou de helicóptero até Cassano all'Jonio, cidade onde o corpo de Nicola foi encontrado em 20 de janeiro, junto aos de seu avô e da nova namorada, dentro de um carro no meio de um campo aos arredores da cidade, considerada a casa da N’drangheta. Os pais e avô da criança eram parte de um clã do tráfico de drogas pertencentes à organização.

Segundo os investigadores, o crime foi cometido pela máfia por um acerto de contas. O fato comoveu à Itália e também o pontífice, que pediu então que os responsáveis se arrependessem do crime.

Pontífice pode estar na mira de organização

O Papa Francisco pode estar em risco de ser atacado pela máfia N’drangheta, de acordo com Nicola Gratteri, de 55 anos, promotor na região da Calábria, onde a organização é mais ativa. Ele disse que os esforços do papa em reformar a Igreja Católica estão deixando a máfia “muito nervosa”.

A organização é considerada por especialistas como a mais perigosa, unida e mais difícil de se infiltrar no país. “Não posso dizer se a organização está em posição de fazer algo, mas eles são perigosos e vale a pena refletir”, alertou o promotor.

“Se os chefões puderem achar um jeito de parar o Papa, eles vão considerar seriamente. Um atirador da N’drangheta reza e beija seu rosário antes de atirar em alguém”, disse o promotor, que vive sob proteção policial desde a década de 1980. Ele comentou ainda que a maior parte dos mafiosos italianos é católica praticante, apesar de suas atividades violentas.

A N’drangheta, que trafica com parte da cocaína da América do Sul, é hoje a mais rica e a mais diversificada das máfias, com interesses no norte da Itália e na Europa.

Você pode gostar