G7 ameaça Rússia com mais sanções se governo não mudar política na Ucrânia

'Essas ações são inaceitáveis e violam o direito internacional', reiteraram os líderes do G7

Por guilherme.souza

Washington, Estados Unidos - Os líderes do G7 condenaram novamente as ações da Rússia no leste da Ucrânia e advertiram Moscou sobre possíveis novas sanções se o Kremlin não deixar de se empenhar em "desestabilizar" seu vizinho. "A Rússia ainda tem a oportunidade de escolher o caminho de diminuir a tensão, o que levaria à eliminação destas sanções. Se não fizer isso, no entanto, seguimos dispostos a intensificar ainda mais os custos de suas ações", afirmaram as grandes potências em um comunicado conjunto.

Os líderes do Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos e a presidência da União Europeia (UE) condenaram mais uma vez a anexação ilegal da Península da Crimeia pela Rússia "e as ações para desestabilizar o leste da Ucrânia" tomadas por Moscou. "Essas ações são inaceitáveis e violam o direito internacional", reiteraram os líderes, um dia depois da UE e Estados Unidos aumentarem a pressão sobre a Rússia impondo novas sanções contra os setores financeiro, energético e de defesa.

Além disso, o G7 ressaltou sua condenação à derrubada do avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia e exigiu "uma investigação internacional imediata, exaustiva, sem impedimentos e transparente" sobre a tragéfia, que deixou 298 pessoas mortas. "Fazemos uma chamada a todas as partes para estabelecer, manter e respeitar plenamente o cessar-fogo ao redor do lugar do acidente", segundo o exigido pelo Conselho de Segurança da ONU, "para que os investigadores possam assumir seu trabalho e recuperar os corpos de todas as vítimas e seus pertences pessoais", acrescentou o G7.

O grupo frisou que "este terrível fato deveria ter marcado um ponto de mudança neste conflito" e feito com que a Rússia suspendesse seu apoio aos grupos separatistas e detivesse o crescente fluxo de armas, para desta maneira se conseguir uma diminuição das tensões de maneira "rápida e tangível". No entanto, a "Rússia não mudou de rumo", por isso nesta semana se decidiu aumentar as sanções contra o país como medida "essencial" para demonstrar as autoridades locais que devem "criar as condições necessárias" para se encontrar uma solução política.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia