Prefeito destituído por ligação com sumiço de 43 estudantes

Jovens mexicanos foram entregues por policiais a traficantes

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - O prefeito da cidade de Iguala, no México, foi destituído do poder nesta sexta-feira, por suspeita de envolvimento no sumiço e provável morte de 43 estudantes da região, dia 26. Os deputados do estado de Guerrero, no México, aprovaram a medida que retirou do cargo José Luis Abarca Velázquez. Ele é acusado de manter ligações com o tráfico e está foragido.

Ativista mostra fotos de alunos desaparecidos durante protesto em frente ao consulado mexicano na Cidade de GuatemalaReuters


Durante a sessão extraordinária na Assembleia de Guerrero, concluiu-se que o prefeito foi omisso ao não proteger os estudantes. Ele também foi acusado de cometer uma grave violação dos direitos humanos. No episódio que chocou o país, um grupo da escola do Magistério de Ayotzinapa, cidade rural, realizava manifestações por mais recursos para seus estudos, quando, de acordo com a investigação, a polícia de Iguala e do município vizinho de Colula, com o apoio de pistoleiros da organização criminosa Guerreros Unidos, agiu para reprimi-lo.

Ao menos seis estudantes foram mortos na ocasião e 25, feridos. Outros 43 sumiram. Policiais detiveram os jovens e os entregaram aos membros do cartel de drogas local. Os investigadores suspeitam que os alunos tenham sido assassinados e enterrados em algumas das muitas covas clandestinas existentes na região de Guerrero.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia