Centenas de manifestantes entram em confronto com a polícia no México

Manifestantes invadiram o aeroporto de Acapulco e protestaram contra o desaparecimento de 43 estudantes

Por victor.duarte

México - Centenas de estudantes, professores e familiares dos 43 jovens desaparecidos no último mês de setembro em Iguala tomaram nesta segunda-feira o aeroporto do balneário mexicano de Acapulco sem que nenhuma autoridade os impedissem.

Em declarações aos meios de comunicação, o porta-voz dos pais dos estudantes de Ayotzinapa, Felipe de la Cruz, disse que manterão o aeroporto fechado durante pelo menos "três horas", nas quais "ninguém vai entrar e nem sair".

LEIA MAIS

Membros de cartel no México 'admitem morte de estudantes'

México prende ex-prefeito e sua mulher pelo desaparecimento de 43 estudantes

Centenas de estudantes%2C professores e familiares dos 43 jovens desaparecidos protestam próximo ao aeroporto de AcapulcoAgência EFE

Os manifestantes entraram no terminal aéreo e escreveram mensagens em sua paredes, como "Todos somos Ayotzinapa" e "(Enrique) Peña Nieto assassino", em alusão ao presidente mexicano, que hoje se encontra na China em visita oficial. "Vão chegar voos, mas não vão sair", acrescentou o porta-voz, que prometeu que os manifestantes vão "permanecer em ordem".

Os 43 estudantes, a maioria de idades entre 18 e 21 anos, estão desaparecidos desde 26 de setembro, dia em que foram detidos por policiais e entregues a membros do cartel Guerreros Unidos, que os mataram e queimaram durante mais de 14 horas para evitar que ficassem rastros, segundo o testemunho de três detidos pelo crime.

Centenas de estudantes%2C professores e familiares dos 43 jovens desaparecidos protestam próximo ao aeroporto de AcapulcoFrancisca Meza / EFE

A procuradoria encontrou restos ósseos e cinzas no lixão onde foi feita a fogueira, assim como em uma das oito bolsas que foram lançadas a um rio pelos criminosos. Todo esse material vai ser analisado por um laboratório na Áustria para conseguir a identificação.

Os 43 estudantes têm o status legal de desaparecidos até que se conheça o resultado dos testes, apesar de os especialistas já terem advertido que será muito difícil a identificação pela extrema calcinação dos restos. Os familiares anunciaram na sexta-feira passada que não aceitavam as explicações da procuradoria mexicana e que não cessarão em suas exigências e protestos até que haja provas indubitáveis que seus filhos estão mortos

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia