Gripe suína mata mulher grávida no Egito

Inicialmente a paciente recebeu tratamento contra a gripe comum

Por daniela.lima

Cairo - Uma mulher grávida morreu neste domingo no Egito em decorrência do vírus H1N1 (gripe suína), após a morte de outras duas pessoas na semana passada por causa da variante H5N1 (gripe aviária), informou à Agência Efe o porta-voz do Ministério da Saúde do país, Hussam Abdelgafar. 

A paciente, de 30 anos de idade e com seis meses de gravidez, morreu em um hospital na província de Al Bahira, no delta do Nilo, onde foi internada após apresentar sintomas de gripe. O ministro egípcio, que explicou que se trata do primeiro caso de um paciente infectado com este vírus que morre neste ano, explicou que a falecida inicialmente recebeu tratamento contra a gripe comum.

Depois que os laboratórios confirmaram que estava infectada com o vírus H1N1, foi isolada em um hospital público de Damanhur, capital provincial de Al Bahira, onde morreu neste domingo em consequência de um problema respiratório.

Além disso, Abdelgafar explicou que três pacientes infectados por gripe aviária morreram em diferentes províncias do país, de um total de sete casos desde o início do ano. Dois deles morreram na semana passada e o outro no mês de junho. Desde a detecção do vírus H5N1 no Egito em fevereiro de 2006 morreram dezenas de pessoas infectadas, enquanto as autoridades sanitárias sacrificaram cerca de 12 milhões de aves de curral para combater sua propagação.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia