Por tabata.uchoa

Estados Unidos - Milhares de pessoas se reuniram ontem, em Washington e em Nova York, nos Estados Unidos, para protestar contra as mortes de negros desarmados pela polícia norte-americana. O intuito foi também fazer pressão sobre o Congresso para dar proteção aos cidadãos.

Marcha organizada pela Rede de Ação Nacional reuniu manifestantes em Washington%2C no sábadoReuters

A marcha ‘Justiça Para Todos’ foi organizada pela National Action Network (Rede de Ação Nacional), que é dirigida pelo reverendo Al Sharpton. “Precisamos mais do que apenas palavras, precisamos de ações legislativas que mudem as coisas nos livros e nas ruas”, afirmou ele em comunicado.

Em Washington, participaram do protesto parentes de Eric Garner, Michael Brown, Tamir Rice, Akai Gurley e Trayvon Martin, todos mortos pela polícia. Eles levaram cartazes com frases como ‘As Vidas dos Negros São Importantes’ e gritavam palavras de ordem como ‘Sem Justiça, Sem Paz’.

Em Washington, a marcha começou ao meio-dia (15h no horário de Brasília), bloqueou a Avenida Pensilvânia — entre a Casa Branca e o Capitólio — e contou com a participação de manifestantes de outros estados. Na Flórida, em 2012, o adolescente Trayvon Martin foi morto pelo vigia George Zimmermann, que foi absolvido; neste ano, no mês de julho, o policial Daniel Pantaleo matou com uma gravata Eric Garner, 43 anos, em Nova York. O policial não foi indiciado.

Em agosto, foi a vez de Michael Brown, 18 anos, ser morto a tiros em Fergusson (Missouri) pelo policial Darren Wilson, que também não foi indiciado. No mês passado, Tamir Rice, 12, foi assassinado em Cleveland.

Você pode gostar