Denúncia envolve Kirchner, chanceler e parlamentar

Documento de promotor encontrado morto é divulgado

Por felipe.martins , felipe.martins

Argentina - O documento de 290 páginas redigido pelo promotor argentino Alberto Nisman, encontrado morto em seu apartamento segunda-feira, foi divulgado pelo Centro de Informação Judicial da Argentina, com graves acusações contra integrantes do governo. Nele, Nismam afirmou que o chanceler argentino Héctor Timerman foi “o principal instrumentador do plano” para encobrir participação do Irã em atentado a organização israelita que deixou 85 mortos em 1994, em Buenos Aires.

Na denúncia, Nisman garantiu que a presidenta do país, Cristina Kirchner, “não somente foi quem decidiu a articulação deste plano criminoso de impunidade e se valeu de diferentes atores para levar adiante sua execução”. O promotor também a acusou de liderar “campanha discursiva e midiática para camuflar a execução do delito”.

Na porta do Ministério Público em Buenos Aires%2C cartaz pede ‘justiça’ e faz agradecimento a NismanReuters

Ainda segundo a denúncia, Timerman “transmitiu ao Irã a decisão do governo argentino de abandonar a reivindicação de justiça pelo caso”. Outros nomes citados por Nisman foram os do deputado governista Andrés Larroque; dos militantes Luis D’Elía e Fernando Esteche; do ex-promotor do caso, Héctor Yrimia; e de um suposto espião, Ramón Allan Héctor Bogado.

O promotor também determinara mais investigações para definir o “papel exato” de outras pessoas, como o ministro do Planejamento Federal, Julio De Vido. Para Nisman, os funcionários pretendiam “conseguir a impunidade” dos acusados para “estabelecer plenas relações comerciais” com o Irã. “A presidente entendeu que o petróleo iraniano teria a capacidade de aliviar a severa crise energética que o país vem atravessando”, destacou Nisman.

O promotor foi encontrado morto horas antes de seu comparecimento no Congresso para ler a denúncia. Autópsia indicou suicídio com um tiro na cabeça. A morte gerou forte comoção na Argentina e é investigada hipótese de ele ter sido ‘induzido’ a se matar. Nisman não tinha pólvora nas mãos e a porta de serviço do apartamento não estava fechada com chave: poderia ter sido aberta em qualquer momento, segundo perícia.

Lavagem de dinheiro e evasão fiscal

Cristina Kirchner virou alvo de nova denúncia, ontem, segundo o jornal ‘La Nación’, Ela e Ricardo Echegaray, chefe da Receita local, são acusados de impedir que investigações sobre lavagem de dinheiro e evasão fiscal afetem o empresário Lázaro Báez, sócio da família presidencial. Na denúncia, o promotor federal Germán Moldes diz que empresas hoteleiras de Báez acusadas devem ser investigadas, assim como pessoas ligadas a ele comercialmente — como Cristina e seu filho, Máximo. “Alguém com grande poder deve dar as ordens para estes desvios acontecerem e Baez não se prejudicar”, diz a denúncia. As relações de Báez com a família presidencial são da época do governo Néstor Kirchner, marido de Cristina, que morreu em 2010.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia