EI liberta dois jornalistas iraquianos após um mês detidos em Mossul

Grupo extremista libertou em 26 de novembro quatro jornalistas iraquianos após mais de um mês em cativeiro, sem que se saiba também o motivo da decisão

Por tamara.coimbra

Iraque - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) libertou dois jornalistas iraquianos detidos durante mais de um mês na cidade de Mossul, no Iraque, informou nesta segunda-feira à Agência Efe um membro do Sindicato de Jornalistas iraquiano, Sufian al Mushedani.

Mushedani explicou que um fotógrafo, Mahmoud Nadim, e um correspondente, Samim Yousef, do canal de televisão de Ninawa foram postos em liberdade na noite deste domingo. Os dois jornalistas se encontram abalados psicologicamente pelas duras condições de sua detenção e ameaças sofridas pelos jihadistas, segundo a fonte.

Em 30 de dezembro, Nadim e Yousef foram sequestrados pelo EI no Leste de Mossul, capital da província de Ninawa, e foram levados para um paradeiro desconhecido.

Um grande número de jornalistas fugiu de Mossul ou trabalha nos arredores da cidade clandestinamente desde que os jihadistas tomaram o controle da localidade em junho do ano passado. O grupo extremista libertou em 26 de novembro quatro jornalistas iraquianos após mais de um mês em cativeiro em Mossul, sem que se saiba também o motivo da decisão.

O EI, que proclamou um califado nas zonas sob seu controle no Iraque e na Síria, vem sequestrando jornalistas ocidentais em território sírio e decapitou vários deles.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) condenou no final de outubro do ano passado a "perseguição criminosa e fanática" do EI aos jornalistas e afirmou que as áreas controladas por esse grupo se transformaram em "buracos negros para a informação".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia