Dança é novo tratamento para o Mal de Parkinson

Atividade melhora equilíbrio, movimentos, memória e autoestima do paciente

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - O Mal de Parkinson provoca problemas motores e leva os pacientes a desenvolver até mesmo quadros de depressão. Mais do que remédios e sessões de fisioterapia, dançar pode ser uma solução divertida e eficaz no combate à doença neurológica, aponta estudo da Universidade McGill, do Canadá. Amanhã, 29 de abril, é Dia Internacional da Dança.

Os pesquisadores identificaram relativa melhora no equilíbrio dos pacientes, assim como no desenvolvimento de funções cognitivas devido à necessidade de memorização dos passos. Também foi observado um maior engajamento dos participantes dos testes em seguir o tratamento da doença.

De acordo com o neurologista da Life Clínica, Luis Eduardo Belini, fazer aulas de dança traz até quatro benefícios para os pacientes com Parkinson. O principal é a melhora dos movimentos. “Todo portador do mal sofre de rigidez muscular. A dança, ao mexer os quatro membros e exigir movimentos repetidos, deixa o corpo mais relaxado e garante maior mobilidade”, explica.

Três vezes por semana é a frequência recomendada para a prática da dança%2C segundo os médicosIstock

Outro efeito da doença neurológica é a redução da autoestima e a baixa dos níveis de dopamina, que podem provocar até depressão. Isto ocorre porque o paciente vai vendo seu corpo se deteriorar enquanto mantém a consciência preservada, diz Belini.

Segundo ele, a sensação de prazer ligada à dança pode melhorar o quadro depressivo do portador. “Ao fazer qualquer atividade física, a pessoa aumenta a produção de endorfina, hormônio que está associado ao bom humor e ao bem-estar”, afirma o especialista.

Além disso, o profissional garante que dançar melhora outros dois problemas muito comuns em pacientes com Parkinson. Um é a constipação. “A dança estimula um melhor funcionamento do intestino”, aponta o médico. Outro são os transtornos do sono. “Quem se exercita durante o dia, está mais cansado de noite e vai conseguir dormir melhor”.

Para que a dança produza todos os efeitos prometidos, Belini aconselha a prática da atividade ao menos três vezes por semana. Outra dica é buscar fazer as aulas com outros portadores. “A melhora de um vai dar mais condição para os demais se empenharem”, garante ele.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia