Homens são presos após esfaquearem ao menos seis pessoas em Parada Gay

Premiê de Israel defendeu a existência do movimento e ressaltou que cidadãos têm 'livres escolhas'

Por clarissa.sardenberg

Israel - Ao menos seis pessoas foram esfaqueadas durante a Parada do Orgulho Gay realizada nesta quinta-feira, em Jerusalém, em Israel. De acordo com a polícia, que prendeu dois suspeitos, o ataque partiu de judeus ortodoxos e ocorreu na rua Karen ha-Yesod, em uma região próxima à residência oficial do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Judeu ortodoxo foi desarmado por populares após esfaquear pessoas na Parada Gay em Jerusalém Reuters

Entre os seis feridos, há um agente de segurança e duas vítimas estão em estado grave. "O ataque é um acontecimento muito grave. Os responsáveis serão punidos com rigor", disse o Netanyahu.

"As livres escolhas de cada um são uma base dos valores de Israel. Devemos fazer com que todos em Israel possam viver em plena segurança, independentemente das opções de vida", acrescentou o premiê.

Segundo uma fonte local, um dos autores do ataque é o judeu ultraortodoxo Yishai Schlissel, que em 2005 também esfaqueou quatro pessoas durante a Parada Gay local. Ele deixou a prisão há três semanas, pois tinha sido condenado a 12 anos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia