Milhares de cubanos assistem missa de Papa Francisco em Havana

Pontífice pediu para que a população de Cuba ponha 'as pessoas à frente da ideologia'

Por marcelle.bappersi

Havana (Cuba) - O Papa Francisco destacou a importância de colocar as pessoas à frente da ideologia durante a grande missa neste domingo na Praça da Revolução de Havana, assistida pelo presidente cubano, Raúl Castro, e onde o cardeal Jaime Ortega fez um apelo à reconciliação cubano-americana. O pontífice argentino convidou o povo cubano a defender os membros mais frágeis da sociedade e disse para os milhares de cubanos que assistiram a cerimônia que o importante é servir "às pessoas e não às ideias".

Cubanos acreditam que visita do papa trará melhoras polícias%2C sociais e econômicas para o paísEfe

Francisco, terceiro papa que celebra uma missa na praça, após João Paulo II e Bento XVI, lançou uma mensagem que foi além dos propósitos pastorais e que apelou para pôr a proteção dos mais necessitados à frente de qualquer ideologia. "O serviço nunca é ideológico, já que não serve às ideias, mas às pessoas", continuou o papa argentino diante de Raúl e perto de um grande ícone: a imagem do líder revolucionário Ernesto Che Guevara sobre a fachada do edifício do Ministério do Interior.

A referência se destacou precisamente por ser este o lugar em que se concentram os símbolos que são os pilares ideológicos básicos do regime cubano: ao pé do monumento ao líder independentista José Martí, que o governo frequentemente utiliza como vitrine de seu apoio entre as massas. O pontífice, que percorreu o centro de Havana em um papamóvel conversível para saudar de perto as milhares de pessoas que o esperavam desde o amanhecer, disse em sua homilia que o povo cubano tem "vocação de grandeza" e que deve cuidar dela, mas especialmente trabalhando para os mais frágeis.

"A importância de um povo, de uma nação, a importância de uma pessoa sempre se baseia em como serve à fragilidade de seus irmãos", continuou o papa, que lembrou os cristãos que "todos estamos convidados a cuidar uns dos outros por amor". O papa defendeu o conceito do "serviço" aos demais, mas alertou para a tentação de "querer beneficiar os 'meus' em nome do 'nosso' porque isso pode gerar uma dinâmica de exclusão".

Francisco lembrou que "o santo povo fiel a Deus que caminha em Cuba é um povo que tem gosto pela festa, pela amizade, pelas coisas belas, e também tem feridas, mas sabe estar de braços abertos". "Hoje os convido a cuidarem dessa vocação, a cuidarem destes dons que Deus os presenteou, mas especialmente quero convidá-los a cuidarem e servirem, de modo especial, à fragilidade de seus irmãos". "Não descuidem deles por projetos que podem parecer sedutores, mas que os afastam do rosto de quem está ao seu lado", advertiu o papa. "Servir significa, em grande parte, cuidar da fragilidade. Cuidar dos frágeis de nossas famílias, de nossa sociedade, de nosso povo", disse o papa.

No primeiro evento grande do sumo pontífice em sua viagem a Cuba - aonde chegou no sábado e onde permanecerá até a próxima terça-feira - ele voltou a fazer referências ao processo de aproximação com os Estados Unidos, que teve a mediação do Vaticano. Depois de Francisco encorajar Cuba e Estados Unidos a progredirem na aproximação logo em sua chegada ao aeroporto de Havana, neste domingo foi o cardeal Jaime Ortega que, ao concluir a missa, agradeceu ao papa "por ter favorecido o processo de renovação das relações entre Cuba e Estados Unidos, que tanto beneficiará ao nosso povo". Ortega apelou ao "amor e ao perdão entre todos nós como meio válido para uma verdadeira renovação de nossa nação cubana" e pediu que o "chamado a paz" do papa chegue aos povos cubano e americano e "muito especialmente ao nosso povo cubano que vive aqui e nos Estados Unidos".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia