Rio lança aplicativo para ampliar doação de órgãos

Estado já é o segundo em número de transplantes. Campanha estimula doações

Por bferreira

Rio - O Brasil só perde para os Estados Unidos em número de transplantes de órgãos. Com o segundo maior índice de cirurgias realizadas, o país celebra no próximo domingo o Dia Nacional de Doação de Órgãos. Em cinco anos, o Rio saiu da 15ª para a segunda posição nacional, só abaixo de São Paulo, e à frente de países como Suécia, Alemanha, Coreia do Sul e Grécia. Para incentivar ainda mais as doações, o Rio lança o aplicativo Doe + Vida, permitindo que os usuários se cadastrem como doadores e compartilhem a decisão com amigos e familiares.

Ação em redes sociais reúne 130 selfies de famososDivulgação

Apesar da posição privilegiada no ranking mundial, calcula-se que mais de 32 mil pessoas aguardam por um transplante no Brasil. “No ano passado fizemos mais transplantes de coração do que este ano. Já estamos em setembro e dá para ver que a situação piorou muito. Ainda não registramos metade das cirurgias que esperávamos para 2015”, apela a médica Jacqueline Miranda, coordenadora do setor de Insuficiência Cardíaca e Transplantes do Instituto Nacional de Cardiologia.

A recusa da família à doação, registrada em 40% dos casos, é o principal obstáculo. Para sensibilizar a população sobre o tema, a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) lançou ontem no Rio a campanha #JuntosPelaDoação, com um vídeo que reúne 130 ‘selfies’ de artistas, atletas e músicos conhecidos, além de pacientes beneficiados pelas doações.

O sucesso do transplante de fígado motivou Jenifer Prates, de 16 anos, a sonhar com a faculdade de Medicina. “Quando descobri que era portadora de hepatite autoimune, fiquei muito preocupada. Achei que não poderia ter uma vida normal. Eu tinha os olhos muito amarelos e, quando o médico viu meu exame, disse que meu fígado já estava muito ruim. Depois da cirurgia, me senti renovada”, disse ela.

Crise ameaça cirurgia feita pelo SUS

A situação política e econômica no Brasil, porém, preocupa, já que 90% das cirurgias para transplantes são feitas pelo SUS. “Estamos batalhando para que o governo continue olhando com cuidado para o programa estadual de transplantes”, diz Lúcio Pacheco, presidente da ABTO.

Um dos cinco hospitais particulares do estado que integram o programa, o Hospital Adventista Silvestre, especializado em transplante de fígado, acaba de atingir a marca de 200 operações, em quatro anos de atividade.

É possível doar órgãos em vida para parentes de até quarto grau desde que o doador seja saudável. No caso de morte cerebral, a decisão cabe à família. “Este é um quadro irreversível e diferente do coma. Dois médicos, um deles neurologista, avalia o paciente. O diagnóstico é muito preciso”, ressalta. Disponível no sistema Android a partir de domingo, o app Doe + Vida será lançado pela Secretaria estadual de Saúde.

Agenda

O Rio tem a segunda maior fila para transplante de córneas do país, com 1,4 mil pacientes à espera, só atrás de São Paulo. Para incentivar doações, o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), único banco de olhos do Rio, também preparou uma campanha com cartazes na unidade.

Ainda no domingo, às 8h, ex-pacientes do Instituto Nacional de Cardiologia que tiveram o coração transplantado participam de caminhada na orla de Copacabana.

Informações sobre doações de órgãos no Rio podem ser obtidas pelo 155.

Reportagem de Maria Clara Vieira

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia