Dilma veta publicidade de leite artificial e papinha para crianças até 3 anos

Veto também inclui mamadeira e chupeta. Objetivo é incentivar o aleitamento materno

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio -  Nada de papinhas, leites artificiais, mamadeiras e chupetas em comerciais nos meios de comunicação. A presidenta Dilma Rousseff sancionou, na terça-feira, decreto regulamentando a lei que proíbe a veiculação desse tipo de propaganda. A medida pretende reduzir o uso de produtos industrializados na amamentação, incentivar o aleitamento materno e assegurar o uso de produtos apropriados para crianças de até três anos.

Para a nutricionista especializada em saúde materno-infantil Débora Marques, o decreto foi fundamental para a luta a favor do aleitamento materno. Segundo ela, ao descobrirem fórmulas infantis, muitas mães preferem os produtos industrializados porque acham que dá menos trabalho, possam ser melhores que o leite materno ou não gostam de amamentar.

“Vejo bebês muito novinhos com uma alimentação à base de farinha. Principalmente antes dos seis meses não tem a menor necessidade disso. A lei vem frear essa realidade”, explica. Para ela, é preciso garantir todos os benefícios que o leite materno pode trazer para a criança, como o fortalecimento do sistema imunológico, principalmente até o primeiro ano”.

Priscila Correia, de 32 anos, amamentou seu filho Gabriel durante 10 meses e critica as propagandas de complementos. “Em geral, elas tratam os produtos como se fossem uma forma melhor e mais prática forma de alimentar seu filho. Não se pode criar a ilusão de que aquele produto é melhor que o leite materno. Meu medo é que muitas mães possam ser influenciadas por isso”, conta.

Já para Samantha Leal, mãe e co-criadora do site ‘Aventuras Maternas’, o aleitamento não foi tão simples. “Amamentei até seis meses, mas tive que entrar com complemento aos três meses porque meu leite não era o suficiente. É importante mostrar que, apesar de industrializados, esses produtos são a única saída para muitas mulheres, seja porque fizeram redução de mama, ou porque o leite secou”, conta ela, que hoje faz tratamento para combater um câncer de mama.

Reportagem da estagiária Marina Brandão

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia