Mianmar deve eleger ‘Mãe Suu’

Primeira votação livre em 25 anos em país asiático foi tranquila

Por felipe.martins , felipe.martins

Angón - Mais de 80% dos 30 milhões de eleitores birmaneses, alguns pela primeira vez na vida, compareceram às urnas neste domingo para eleições legislativas históricas, as primeiras consideradas livres em 25 anos, que podem levar ao poder a líder opositora e vencedora do Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, informou a agência ‘AFP’. Chamada de ‘Mãe Suu’, ela passou mais de 15 anos em prisão domiciliar. Aos 70 anos, votou pela segunda vez em seu país.

O resultado do pleito pode ser anunciado hoje. “Esperem os resultados em suas casas. E quando forem anunciados, quero que os aceitem com tranquilidade”, declarou, em mensagem lida na sede de seu partido. A votação é tida um teste para a transição da ditadura para a democracia no país do Sudeste Asiático. O processo foi iniciado há quatro anos com a “autodissolução” da junta militar que governou a nação com mão de ferro desde 1962. “Não há nenhuma razão da nossa parte para não aceitar o resultado da eleição”, afirmou o comandante do exército, Min Aung Hlaing.

Aclamada por seus partidários aos gritos de “vitória”, Suu Kyi, vestida de vermelho, a cor de seu partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND), votou pela manhã em uma escola do centro de Yangun. Ela espera a reeleição como deputada, depois de obter o cargo nas legislativas parciais de 2012, que registraram uma grande vitória da LND.

O presidente Thein Sein votou em Naypyidaw, a capital administrativa do país. Seu partido, o USDP, integrado por ex-generais, é o principal adversário da LND.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia