Por clarissa.sardenberg

Haiti - Dois sobrinhos da primeira-dama da Venezuela, Cilia Flores, esposa de Nicolás Maduro, foram detidos no Haiti sob acusações de estarem envolvidos no contrabando de 800 kg de cocaína para os Estados Unidos, informou a imprensa norte-americana. Os dois foram levados para os EUA. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, criticou nesta quinta-feira o que chamou de ataques e emboscadas imperialistas depois da prisão dos sobrinhos. 

"A nação irá seguir seu curso", escreveu Maduro no Twitter, antes de um esperado discurso a órgão de direitos humanos da ONU em Genebra mais tarde nesta quinta-feira. "Nem ataques nem emboscadas imperialistas podem afetar o povo dos libertadores", acrescentou, no que parece ser a primeira referência pública do presidente da Venezuela à prisão dos familiares.

Nicolás Maduro disse que prisão de sobrinhos foi emboscada imperialistaEPA

Efrain Campos e Francisco Flores foram extraditados da ilha caribenha e terão que responder pelo crime diante da Justiça norte-americana em Nova York. Segundo fontes da agência antidrogas dos EUA, a DEA, , eles foram detidos em Porto Príncipe após chegar da Venezuela em um avião particular e estavam portando passaportes diplomáticos, apesar de não ter direito a regalia.

Campos, filho da uma falecida irmã de Cilia, foi criado pela primeira-dama e é considerado seu afilhado. O Ministério de Comunicações da Venezuela e a Chancelaria se negaram a comentar a notícia publicada pela imprensa norte-americana, dizendo não ter informações sobre o caso.

De acordo com o governo dos Estados Unidos, mais de 200 quilos de cocaína chegam ao país anualmente passando pela Venezuela. Eleições - Caso foi registrado às vésperas de importante eleição legislativa na Venezuela, que, segundo especialistas, pode representar a maior derrota do chavismo nas urnas em 16 anos.

O presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, alertou nesta semana que Washington tentaria desestabilizar a gestão de Maduro antes do pleito. "Eles o atacam em todos os lugares e continuarão atacando", disse.

*Com informações da ANSA e Reuters 

Você pode gostar