Por bferreira

Rio - A presidenta Dilma Rousseff disse que “uma grande nação deve se medida por aquilo que faz para suas crianças e para seus adolescentes”, e não pela atividade econômica. O teorema colocado em debate pela presidenta acaba de ser chancelado pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, após a publicação do estudo ‘Índice de Progresso Social’, assinado pelo professor Michel Porter, um dos maiores especialistas em estratégias competitivas de nações.

O estudo abrange três grandes temas: necessidades humanas, fundamentos do bem-estar e oportunidades como metas estratégicas. São elencadas 52 variáveis de políticas públicas. Chamam atenção os vetores educacionais, os da educação no Ensino Básico e os que envolvem tecnologias de comunicação, como telefonia; internet, banda larga e liberdade de imprensa.

No estudo, o Brasil ocupa a 17ª posição no ranking entre as grandes nações, superando o bloco dos países que formam o Brics em avanços sociais a partir das políticas sociais implantadas pelo ex-presidente Lula. O Bolsa Família, contemplando 14 milhões de pessoas que viviam abaixo da linha de pobreza, desconstrói teses dos conservadores que rotulam políticas de transferências de rendas como ‘programas da preguiça’. Na Educação, a lei que destina 75% dos royalties do petróleo para o ensino nas escolas públicas deve ser outro tema que a presidenta Dilma vai explorar nos discursos de campanha nas eleições de 2014.

A oposição, dividida, sem discurso que sensibilize o eleitorado, caminha para o fracasso nas urnas. Em eleições presidenciais, o pré-candidato que atinge o teto de 35% de preferência do eleitorado no primeiro turno será eleito no pleito seguinte. Se Dilma voltar a crescer nas próximas pesquisas? E agora, José?/ A festa acabou.../as manifestações sumiram/ e agora, José?

Economista e analista político

Você pode gostar